Política? Não pode



A Empiricus foi obrigada pela Justiça eleitoral a retirar dois relatórios do ar. A casa vinha divulgando análises de tom alarmista como ferramenta de marketing. Um deles se chamava “Como proteger seu patrimônio de Dilma”; o outro, “E se Aécio ganhar?” Os textos foram bastante lidos e compartilhados, por isso ganharam relevância no Google e apareceram com frequência no mecanismo de busca. Ambos foram vistos como propaganda eleitoral antecipada, e a coordenação da campanha de Dilma entrou com representação contra a Empiricus e o Google. O Santander passou por saia-justa semelhante. O trecho de uma carta enviada a correntistas, que expunha o risco de queda no preço de ações em caso de reeleição presidencial, vazou para o blogueiro Fernando Rodrigues. A publicação gerou 20 mil compartilhamentos em menos de 12 horas. O relatório foi considerado terrorismo eleitoral por muitos usuários de redes sociais, e o banco teve que pedir desculpas.

Link: bit.ly/1nq9z8o

Ilustração: Marco Mancini/Grau180.com


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Santander Empiricus CAPITAL ABERTO mercado de capitais relatório de análise eleições Justiça Eleitoral Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Cresce o interesse de fundos de private equity por agricultura
Próxima matéria
Portfólio multinacional



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você