Brasil isolado

Reforma tributária nos EUA reduz competitividade brasileira

Gestão de Recursos / 20 de abril de 2018
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

A reforma tributária foi considerada a primeira vitória de Donald Trump como presidente no Congresso dos Estados Unidos. A proposta aprovada pelos senadores em dezembro do ano passado reduziu a alíquota de imposto de renda das empresas de 35% para 21%. Para as multinacionais americanas, os ganhos obtidos no exterior passaram a ser tributados apenas na origem do lucro — antes, elas pagavam 35% de imposto na repatriação, o que as fazia manter bilhões de dólares fora do país. “As empresas americanas não estavam exatamente com problemas de competitividade. Os Estados Unidos é que não recebiam o dinheiro de volta. Formava-se uma força de trabalho competente para criação de softwares, por exemplo, e a remuneração ficava no exterior”, afirma Eduardo Fleury, sócio do escritório FCR Law.

Nem mesmo previsões de que as medidas poderiam gerar um déficit trilioário ao país impediram a aprovação da reforma. “Alguns economistas entendem que a redução de alíquota é benéfica para a economia porque faz o bolo crescer, o que acaba equilibrando as contas públicas. Mas outros não são tão favoráveis a essa visão”, comenta Priscila Vergueiro, da área de international tax services da PwC. O fato é que, com a reforma, a maior potência mundial se junta a uma lista longa de nações que adotaram a política de reduzir o imposto de renda das empresas com o propósito de fomento econômico. “A reforma americana isola o Brasil como um dos únicos países relevantes que continua adotando o modelo de tributação de bases universais [TBU]”, sentencia Dan Ioschpe, presidente do Fórum das Empresas Transnacionais Brasileiras.

Para o diretor do Centro de Cidadania Fiscal, Bernard Appy, o Brasil não perde competitividade só em relação aos Estados Unidos. “Uma empresa americana que queria investir no Brasil pagava 34% de alíquota aqui, emitia dividendo e pagava 1% a mais nos Estados Unidos. Se ela investia no Paraguai, onde o IR é de 10%, emitia o dividendo e pagava 25% em território americano. Agora ela vai investir no Paraguai, pagar 10% e acabou. Vai investir no Brasil e continuar pagando 34%. Perdemos competitividade até em relação ao Paraguai”, exemplifica. Appy diz que o atual regime tributário brasileiro aumenta o risco de um processo de inversão de investimentos — ou seja, de empresas brasileiras instalarem sedes no exterior para escapar da tributação de bases universais e da alíquota de 34% do País.

A reforma americana serviu de impulso para a decisão da Stefanini, multinacional brasileira de tecnologia da informação, de redirecionar investimentos para os Estados Unidos. “Criamos um laboratório tecnológico em Detroit”, afirma Ailtom Nascimento, vice-presidente da Stefanini. Na avaliação dele, faltam motivos para se investir no País, principalmente nas áreas de P&D (pesquisa e desenvolvimento) e inovação. “Acabamos fazendo na Ásia. Em Cingapura, cada dólar investido em tecnologia e inovação te dá quatro de incentivo de volta”.

Em ano eleitoral, uma reforma mais profunda no sistema tributário brasileiro é praticamente descartada por quem participa dessa discussão com os agentes públicos. Para um país com um déficit fiscal bilionário, seguir o exemplo dos Estados Unidos e reduzir a alíquota de imposto de renda para empresas também parece uma alternativa pouco plausível, sem que antes sejam atraídos mais investimentos. “Um sistema jurídico que aumentasse a segurança elevaria por si só os investimentos. Aí sim conseguiríamos falar em uma redução de alíquota, quando a arrecadação já tivesse de fato subido”, conclui Lina Santim, coordenadora do Núcleo de Estudos Fiscais da FGV.

 

 




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  tributação sistema tributário Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Riscos cibernéticos devem estar na pauta dos conselhos
Próxima matéria
Punição à companhia incentivada



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Riscos cibernéticos devem estar na pauta dos conselhos
As empresas estão na corrida pela adoção de novas tecnologias, por maior uso de análise de dados para fomentar inovação...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}