Investidores de longo prazo fazem short selling

Gestão de Recursos/Internacional/Edição 115 / 1 de março de 2013
Por 


No topo da lista dos investidores que fazem venda a descoberto — tradicionalmente, uma operação de curto prazo — no mercado de capitais europeu está a BlackRock Investment Management. A revelação feita pela consultoria Ipreo surpreende, uma vez que a gestora diz ser focada no longo prazo. Mas ela não foi a única pega nessa situação. As gestoras britânicas de longo prazo AQR Capital Management e Oxford Asset Management também estão, conforme o levantamento da Ipreo, dentre os 20 maiores short-sellers da União Europeia.

O levantamento foi possível graças à determinação da União Europeia, em vigor desde novembro de 2012, de que as operações de short-selling sejam submetidas a rigorosas exigências de disclosure. Dentre as empresas que mais tiveram suas ações alvos de venda a descoberto estão a alemã Aixtron e a finlandesa Nokia. Esta última tem sofrido as consequências de não conseguir competir com a Samsung e a Apple no mercado de smartphones.

O short selling envolve a venda de uma ação que o investidor não possui ou que pegou emprestada. Quando faz esse tipo de negociação, ele espera vender o papel na alta e comprá-lo de volta na baixa, em uma data posterior. Ao mesmo tempo em que pode oferecer mais liquidez e eficiência ao preço de uma ação, a operação, quando utilizada indevidamente, se torna um instrumento para reduzir o valor de um papel ou acelerar sua baixa. A Ipreo aponta que as pequenas e médias empresas são os principais alvos das vendas a descoberto — principalmente as ligadas ao setor de consumo, industrial e tecnologia.

O diretor global de mercados da consultoria declarou à revista Institutional Investor que as companhias deveriam se dedicar a analisar os short-sellers. “Conhecer a identidade de quem está operando a descoberto com mais de 0,5% de seu capital é tão importante quanto saber quem opera no longo prazo com 0,5%”, ressalta.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais União Européia Ipreo short selling BlackRock Bruna Maia AQR Capital Management Oxford Asset Management Aixtron Nokia Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Reguladores focam na qualidade do suitability
Próxima matéria
Emissão de dívida corporativa triplica no Peru



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Reguladores focam na qualidade do suitability
A Financial Services Authority (FSA), reguladora do Reino Unido, publicou, no mês passado, os resultados de uma pesquisa...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}