Invasão matemática

Por que os engenheiros e estatísticos estão cada vez mais invadindo a praia dos gestores de recursos

Gestão de Recursos / Colunistas / 17 de dezembro de 2017
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Alexandre Póvoa*

Alexandre Póvoa*

Ao longo dos anos, profissionais ligados às ciências exatas — da engenharia à física — têm sido cada vez mais demandados no mercado financeiro. Por que a matemática está ganhando importância no estudo de economia e administração? Por que os engenheiros e estatísticos estão invadindo a nossa praia?

Inicialmente, o mundo está ficando muito mais complexo, e a primeira reação das pessoas na tentativa de controlar a situação é “apelar” para a modelagem. A reação natural do ser humano racional ao se ver assolado por uma avalanche de informações é tentar dominar essa complexidade, jogando as variáveis em modelos matemáticos para a geração de soluções hipoteticamente perfeitas. No entanto, a primeira grande dificuldade que qualquer modelo enfrenta hoje, no caso específico do mercado, é a oscilação do grau de importância atribuído a cada variável. Em outras palavras: para explicar o movimento da bolsa o mercado agora pode dar um peso ao fator petróleo, por exemplo, de 50%. Na semana que vem, dada a variação da condição psicológica dos investidores, a relevância desse fator pode ser radicalmente diminuída ou aumentada. Em linguagem estatística, os coeficientes de correlação e os interceptos da regressão (os famosos “betas”) são altamente mutantes ao longo do tempo.  A globalização, pelo simples fato de trazer uma quantidade muito maior de variáveis à mesa, agrava essa limitação.

Modelos como o de Black & Scholes viraram praticamente commodities no mercado, que hoje já opera com ferramentas bem mais pesadas. É necessário lidar também com mudanças bruscas do patamar de volatilidade dos ativos, outro pesadelo para quem está à frente de carteiras de investimento. As histórias mais tristes que conheço no mercado financeiro ocorrem quando o gestor, animado com a aparente tranquilidade dos pregões, executa a famosa operação de “venda de volatilidade” (via opções e futuros), que em geral é fortemente impactada nos primeiros episódios de crise ou euforia.

Os chamados fundos quantitativos de qualidade, que usam diversos instrumentos estatísticos para a gestão de portfólios, podem servir como bom produto de diversificação. Os famosos “robozinhos”, que executam ordens a partir de conceitos preestabelecidos, já representam significativa proporção do volume negociado nas principais bolsas do mundo. O grande risco, porém, sempre virá com a quebra de paradigmas — situação que aciona, ao mesmo tempo, ordens de compra ou venda, tornando as tendências muito mais agudas.

É inegável que o mundo tornou-se bem mais arriscado, sobretudo com a velocidade de transmissão de informações e o crescimento do mercado de derivativos. Por isso, a utilização da estatística para se controlar riscos é fundamental para a sobrevivência de qualquer negócio. O uso de instrumentos de proteção virou prática comum também nas atividades empresariais. A escolha entre operações de “perda limitada”, de “travas” ou de alavancagem ajuda muito o gestor de recursos a montar suas estratégias de portfólio.

A tentativa de se estabelecer fórmulas matemáticas para modelagem do mundo financeiro é louvável, mas as chances de sucesso isolado e absoluto, sem um tratamento subjetivo, são baixas. Técnicas quantitativas desempenham um papel importante, principalmente se associadas à visão qualitativa. É sempre bom lembrar do velho ditado americano: “Trash in, trash out” (“lixo dentro, lixo fora”), que nos lembra que de nada adianta montar o melhor sistema do mundo se as premissas que vão alimentar o modelo estiverem erradas. O produto final será inexoravelmente ruim.

Não é incomum um gestor de recursos amargar prejuízos e colocar a culpa no modelo. Nunca será: a responsabilidade do gestor é intransferível. A preocupação central deve ser sempre com o conteúdo, até porque planilhas e sistemas normalmente estarão disponíveis, mas sempre com limitações. É sem volta o caminho da utilização da matemática no mercado financeiro. Sejam bem-vindos, portanto, matemáticos, engenheiros, físicos e afins. Só não se esqueçam de conversar com o pessoal da área econômica e da administração. Somente a sinergia vai garantir bons resultados.


*Alexandre Póvoa (alexandre.povoa@canepaasset.com.br) é presidente da Canepa Asset Brasil e autor dos livros Valuation, Como Precificar Ações e Mundo Financeiro, o Olhar de um Gestor

 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Gestão de Recursos Alexandre Póvoa investimento Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Executivos na política
Próxima matéria
Novos tempos



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Executivos na política
A quantidade de empresários e executivos de companhias concorrendo a cargos públicos nos Estados Unidos só aumentou...