Gestoras de recursos poderão vender os próprios fundos no ano que vem

Gestão de Recursos/Seletas/Edição 140 / 1 de abril de 2015
Por 


A partir de 4 de janeiro de 2016, as gestoras de recursos poderão comercializar seus próprios fundos de investimento de forma passiva, isto é, quando procuradas pelos clientes. A medida beneficiará, principalmente, as assets independentes, que não dispõem de rede de distribuição. As que desejarem poderão investir na distribuição ativa de seus produtos, desde que, em contrapartida, deem mais transparência às estruturas internas de controle.

As novidades fazem parte da Instrução 558, editada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) no dia 27 de março.
A norma disciplina a atividade de administração de carteira e substitui a Instrução 306, há anos sob reforma — foram feitas duas consultas públicas, uma em 2011 e outra no ano passado.

A demora é reflexo da mudança que a nova instrução impõe ao mercado. Ela submete os gestores a regras de governança mais próximas das exigidas das companhias em que investem. Todos precisarão designar, no estatuto, um diretor de compliance. O profissional será responsável pela conformidade à instrução e também pelo cumprimento das regras de conduta e de controles internos, agora detalhados.

Para dar mais clareza às responsabilidades de cada participante e garantir que os custos de adequação à norma sejam proporcionais, os gestores serão divididos em duas categorias. No grupo “administrador fiduciário” ficarão os que se responsabilizam por uma gama maior de atividades, entre elas a de custódia; sob a denominação “gestor de recursos” estarão os que oferecem apenas a decisão de investimentos.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CVM gestão de recursos CAPITAL ABERTO mercado de capitais Instrução 306 Instrução 558 assets independentes Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
O ministro capiau
Próxima matéria
Fisco conclui primeiro caso de incorporação de ações favorável ao contribuinte



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
O ministro capiau
Quando visita a mãe em Cruz do Espírito Santo, no interior da Paraíba, o economista Mailson da Nóbrega costuma observar...