Gestora de recursos pressiona Iosco sobre risco climático

Asset britânica critica falta de uniformização de regras sobre o tema

Gestão de Recursos/Internacional / 24 de agosto de 2018
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Em relatório lançado na semana passada, a gestora de recursos britânica LGIM, que tem cerca de 980 bilhões de libras sob gestão, pressiona a International Organization of Securities Commissions (Iosco) a exigir transparência das companhias globais sobre riscos climáticos. De acordo com asset, a falta de convergência entre os reguladores internacionais em torno do tema é prejudicial para os investidores globais, pois dificulta a comparação de riscos e a alocação de capital.

A LGIM espera que a Iosco se posicione mais fortemente sobre a necessidade de transparência em relação aos riscos climáticos e crie um padrão internacional de divulgação dessas informações. Isso estimularia os vários xerifes de mercado do mundo a adotar regras semelhantes em suas jurisdições.

Em junho de 2017, uma força-tarefa do Conselho de Estabilidade Financeira, órgão global ligado ao G-20, publicou uma série de recomendações sobre como as empresas devem agregar informações a respeito de riscos relacionados a mudanças climáticas em suas demonstrações financeiras. Mas a LGIM pontua que a Iosco não tomou nenhuma atitude desde então.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  asset managers gestora de recursos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Sobrou para os emergentes
Próxima matéria
Carlos Rebello é indicado para diretoria da CVM



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Sobrou para os emergentes
Não satisfeito em causar volatilidade na economia americana com suas postagens no Twitter, Donald Trump volta agora...