Fusões e aquisições aceleram nos Estados Unidos

12/11/2014

Gestão de Recursos/Internacional / 12 de novembro de 2014
Por 


Nos primeiros seis meses de 2014, as operações americanas de fusão e aquisição (M&A, na sigla em inglês) movimentaram quase o dobro de dinheiro do mesmo período do ano passado. Foram 2.329 negócios, somando US$ 694 bilhões entre janeiro e junho deste ano, respectivamente 30% e 98% a mais que no primeiro semestre de 2013. O crescimento por meio de compras e união de empresas concorrentes ou complementares voltou para o jogo econômico com força, na visão do escritório de advocacia White&Case, responsável pelo levantamento. Outro destaque é o número de negócios com valor acima de US$ 1 bilhão: foram 69 apenas no segundo trimestre, um recorde dos últimos cinco anos.

A estabilidade e a expansão econômico constante alcançados pela economia americana contribuíram muito para o cenário atual. Entre 2010 e 2013, os Estados Unidos tiveram um aumento acumulado do PIB de 9,3%, bem maior que o da maioria dos países desenvolvidos. O Reino Unido, por exemplo, cresceu 4,9% no período. Além disso, os acionistas têm apoiado os projetos de expansão das companhias por meio de M&A.

Outro ponto que colabora para a alta das operações de M&A é o apoio dos acionistas, demonstrado pela variação do preço dos papéis de companhias listadas em bolsa. Desde 2012, a tendência é que o valor da ação da compradora suba no dia seguinte ao anúncio do negócio, diferentemente do que costumava acontecer nos três anos anteriores, quando o papel da adquirente tendia a cair e o da adquirida subia. Neste ano, em 59% dos casos a ação da compradora subiu logo após a divulgação. “Os grandes negócios, principalmente, eram vistos com ceticismo, mas hoje os investidores veem que interesses estratégicos de longo prazo estão sendo atendidos. A percepção é que o fundamento dos negócios é muito mais sólido”, diz Gregory Pryor, sócio do White & Case.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  fusões e aquisições Estados Unidos CAPITAL ABERTO mercado de capitais Reino Unido M&A White and Case Gregory Pryor Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
IPOs registram o melhor ano desde 2010
Próxima matéria
Colegiado pode se dividir mais uma vez, ao julgar eleições do conselho da Petrobras



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
IPOs registram o melhor ano desde 2010
O ano passado trouxe boas notícias para quem acompanha o mercado internacional de IPOs. Nos 11 primeiros meses de 2014,...