Fundos aguardam “revolução” na renda fixa

Gestão de Recursos / Adiante / Edição 126 / 1 de fevereiro de 2014
Por 


Redução de taxas de administração, incorporação de carteiras e migração de investidores são algumas situações com as quais os gestores de fundos de renda fixa, DI e curto prazo terão que conviver. No ano passado, a CVM liberou a emissão de fundos de índice de renda fixa que costumam embutir taxas de administração reduzidas. A autarquia também se pronunciou, no fim de 2013, sobre a revisão da Instrução 409, que regula a indústria de fundos. Os ajustes deverão incluir a criação de “fundos de baixo risco”: estruturas mais simples, com um rol de aplicações restrito e, novamente, com taxas de administração competitivas. Ainda hoje, estão disponíveis no mercado fundos de renda fixa, DI e curto prazo com taxas de administração acima de 5% ao ano, percentual considerado elevado para os padrões de juros atuais do Brasil.

“Itens como a revisão da 409 significarão uma verdadeira revolução para a gestão de recursos. Poderemos atingir investidores que dispõem de baixos valores para aplicação com produtos interessantes”, afirma Reinaldo Le Grazie, diretor de renda fixa da Bradesco Asset Management. Para o executivo, a tendência é que os fundos de manutenção cara percam investidores para as alternativas mais baratas que surgirem.

Para Carlos Massaru Takahashi, presidente da BB DTVM, as gestoras terão que aprofundar o movimento de redução de taxas e de incorporação de carteiras verificado nos últimos anos. Segundo levantamento da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), entre 2008 e 2013, a taxa de administração média dos fundos DI de varejo, ponderada pelo patrimônio líquido das carteiras, caiu de 1,61% ao ano para 1,2%.

Ilustração: Eric Peleias


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  varejo CVM Renda fixa CAPITAL ABERTO mercado de capitais ETF DI Instrução 409 fundo de investimento taxa de administração Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
À espera da venda (Tim)
Próxima matéria
Fim do IOF pode dar gás a emissões de ADRs




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
À espera da venda (Tim)
As ações da Tim subiram 56,2% em 2013, a terceira maior valorização do ano na bolsa paulista. Bem que os números positivos...