Fazendo seguidores

Gestão de Recursos/Seletas/Edição 121 / 1 de setembro de 2013
Por 


As emissões de debêntures de infraestrutura, incentivadas por benefícios fiscais, ainda não atingiram o volume que se esperava delas, mas abriram oportunidades para outros produtos. Banco do Brasil e Banco Votorantim registraram na CVM o pedido de análise de um fundo de direitos creditórios (FIDC) lastreado em recebíveis de detentores de debêntures de infraestrutura. O objetivo é captar ao menos R$ 300 milhões com investidores qualificados e listar as cotas na BM&FBovespa. Desde que a Lei 12.431 entrou em vigor, em 2001, sete emissões das debêntures foram realizadas, num total de R$ 4,4 bilhões. As duas últimas aconteceram em julho: uma da empresa de engenharia OAS, no valor de R$ 694 milhões, e outra do governo do Distrito Federal, de R$ 100 milhões.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  bmfbovespa Banco do Brasil CVM CAPITAL ABERTO mercado de capitais FIDC infraestrutura Comissão de Valores Mobiliários André Rossi Brasília OAS Banco Votorantim Votorantim Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
CVM do futuro
Próxima matéria
Lupa sobre o hedge



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
CVM do futuro
Sob a liderança de Leonardo Pereira, ex-executivo da Gol e da Net, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) vem tomando...