CEO da Blackrock critica ETFs alavancados

Gestão de Recursos/Internacional/Edição 131 / 1 de julho de 2014
Por 


Não autorizados no Brasil, mas muito comuns na Europa, os fundos de índice alavancados vêm dando o que falar. Ao contrário dos ETFs tradicionais, eles não espelham de maneira fiel a carteira do índice que acompanham. Os gestores têm a prerrogativa de incluir neles outros ativos, principalmente derivativos, com o objetivo de aumentar a lucratividade do fundo.

Para Larry Fink, CEO da BlackRock, principal administradora de ETFs, os fundos de índice alavancados são uma péssima ideia. Em conferência realizada pelo Deutsche Bank no início do mês, em Nova York, ele afirmou que a BlackRock jamais faria um fundo do tipo e que eles contêm problemas estruturais sérios, que podem prejudicar a indústria de ETFs. Além de menos líquidos, esses fundos, por serem compostos de vários ativos, são mais arriscados, já que o valor de suas cotas pode se descolar fortemente dos índices que representam.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais ETF Deutsche Bank BlackRock Larry Fink ETF alavancado Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Fundos islâmicos se recuperam depois de ano fraco
Próxima matéria
ICGN traz novos princípios de governança corporativa



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Fundos islâmicos se recuperam depois de ano fraco
Nos quatro primeiros meses de 2014, os fundos que seguem as regras da sharia (lei religiosa, política e social do islamismo)...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}