Bolsas árabes sobem junto com gasto público

Gestão de Recursos / Internacional / Edição 129 / 1 de maio de 2014
Por 


Entre 28 de abril de 2013 e 24 de abril de 2014, o índice de ações da bolsa dos Emirados Árabes Unidos subiu 59%; o do Qatar, mais de 50%; e o da Arábia Saudita, mais de 33%. Numa época em que os investidores focam a recuperação econômica dos Estados Unidos e dos mercados europeus, penalizando bolsas de outros países, é de se perguntar o que acontece nesses chamados mercados de fronteira. A expressão engloba nações que, apesar de aptas a receber investimentos, têm capitalização e liquidez relativamente menores do que a de mercados desenvolvidos ou emergentes.

Reportagens publicadas por veículos internacionais contam que, desde 2010, quando a chamada Primavera Árabe começou a depor governos no Egito, na Líbia e Tunísia, os governantes do golfo pérsico resolveram abrir os bolsos, aumentando salários do setor público — que emprega a maioria dos cidadãos — e realizando grandes obras. Como resultado, aumentou o consumo, assim como o dinheiro disponível para investir.

Ilustração: Eric Peleias


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Bolsa de valores CAPITAL ABERTO mercado de capitais Arábia Saudita Qatar Emirados Árabes Unidos mercados de fronteira primavera árabe Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
PMEs são rejeitadas no Oriente Médio
Próxima matéria
Renda fixa ligada a causas sustentáveis ganha espaço




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
PMEs são rejeitadas no Oriente Médio
As pequenas e médias empresas (PMEs) correspondem a 98% dos negócios do Oriente Médio, empregam 60% dos trabalhadores...