Preferencialistas assistem à venda da Alpargatas do lado de fora

No dia 22 de novembro, a Alpargatas, dona das Havaianas, anunciou a venda de seu controle. A J&F Investimentos, dos irmãos Wesley e Joesley Batista, da JBS, assumirá o posto de principal acionista no lugar da Camargo Correa. O negócio custou R$ 2,66 bilhões e envolveu 44,12% do capital social da …

Seletas / Fusões e aquisições / Edição 9 / 27 de novembro de 2015
Por 


Ilustração: Grau 180.com.

Ilustração: Grau 180.com.

No dia 22 de novembro, a Alpargatas, dona das Havaianas, anunciou a venda de seu controle. A J&F Investimentos, dos irmãos Wesley e Joesley Batista, da JBS, assumirá o posto de principal acionista no lugar da Camargo Correa. O negócio custou R$ 2,66 bilhões e envolveu 44,12% do capital social da Alpargatas – 66,99% do total das ações ordinárias e 19,98% das preferenciais. No dia do anúncio, as ONs fecharam em alta de 0,63%, cotadas a R$ 10,06; as PNs desabaram 8,03%, encerrando o pregão a R$ 8,95. O movimento em sentido oposto é justificado pela oferta pública de aquisição de ações (OPA) a ser estendida a todos os minoritários — o tag along.

De acordo com a oferta da J&F, cada ação integrante do bloco de controle da Alpargatas será comprada por R$ 12,75. Os minoritários, no entanto, não conseguirão o mesmo valor. A transação envolve o lançamento de uma OPA em decorrência da alienação do controle, conforme prevê o artigo 254-A da Lei das S.As. O estatuto social da Alpargatas, no entanto, concede apenas o tag along previsto na legislação. Os donos de ações ordinárias têm o direito de vender seus papéis por 80% do valor pago ao controlador, ou seja, R$ 10,20. Já os que detêm PNs não têm direito a acompanhar o controlador na venda das ações.

O grupo de minoritários preferencialistas da Alpargatas é significativo. O maior deles é o investidor Silvio Tini, dono de 20,03% do capital da companhia, somadas as participações direta e indireta (por meio de seu veículo de investimentos, a Bonsucex Participações). Tini detém 14,47% do total de ações preferenciais da Alpargatas; outros 61,35% das PNs estão nas mãos de minoritários não relevantes.

No contexto da oferta, o cenário para os minoritários não é o melhor, mas ao menos a Alpargatas continuará na bolsa de valores. De acordo com o fato relevante divulgado pela companhia, a J&F Investimentos informou que não tem a intenção de promover, no prazo de um ano, o cancelamento do registro de companhia aberta.

No terceiro trimestre, o lucro líquido da Alpargatas somou R$ 79,3 milhões, 42% superior ao do mesmo período do ano anterior. Os ganhos acumulados nos nove primeiros meses do ano somam R$ 224,5 milhões, 15% acima do registrado em 2014.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Alpargatas JBS Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Escândalo no BTG Pactual expõe riscos do acionista de ouro
Próxima matéria
Avanço regulatório para os planos de investimento de administradores



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Escândalo no BTG Pactual expõe riscos do acionista de ouro
A prisão de André Esteves, controlador do BTG Pactual, marcou a entrada do setor financeiro nas investigações da Operação...