Preferencialistas assistem à venda da Alpargatas do lado de fora

Seletas / Fusões e aquisições / Edição 9 / 27 de novembro de 2015
Por 


Ilustração: Grau 180.com.

Ilustração: Grau 180.com.

No dia 22 de novembro, a Alpargatas, dona das Havaianas, anunciou a venda de seu controle. A J&F Investimentos, dos irmãos Wesley e Joesley Batista, da JBS, assumirá o posto de principal acionista no lugar da Camargo Correa. O negócio custou R$ 2,66 bilhões e envolveu 44,12% do capital social da Alpargatas – 66,99% do total das ações ordinárias e 19,98% das preferenciais. No dia do anúncio, as ONs fecharam em alta de 0,63%, cotadas a R$ 10,06; as PNs desabaram 8,03%, encerrando o pregão a R$ 8,95. O movimento em sentido oposto é justificado pela oferta pública de aquisição de ações (OPA) a ser estendida a todos os minoritários — o tag along.

De acordo com a oferta da J&F, cada ação integrante do bloco de controle da Alpargatas será comprada por R$ 12,75. Os minoritários, no entanto, não conseguirão o mesmo valor. A transação envolve o lançamento de uma OPA em decorrência da alienação do controle, conforme prevê o artigo 254-A da Lei das S.As. O estatuto social da Alpargatas, no entanto, concede apenas o tag along previsto na legislação. Os donos de ações ordinárias têm o direito de vender seus papéis por 80% do valor pago ao controlador, ou seja, R$ 10,20. Já os que detêm PNs não têm direito a acompanhar o controlador na venda das ações.

O grupo de minoritários preferencialistas da Alpargatas é significativo. O maior deles é o investidor Silvio Tini, dono de 20,03% do capital da companhia, somadas as participações direta e indireta (por meio de seu veículo de investimentos, a Bonsucex Participações). Tini detém 14,47% do total de ações preferenciais da Alpargatas; outros 61,35% das PNs estão nas mãos de minoritários não relevantes.

No contexto da oferta, o cenário para os minoritários não é o melhor, mas ao menos a Alpargatas continuará na bolsa de valores. De acordo com o fato relevante divulgado pela companhia, a J&F Investimentos informou que não tem a intenção de promover, no prazo de um ano, o cancelamento do registro de companhia aberta.

No terceiro trimestre, o lucro líquido da Alpargatas somou R$ 79,3 milhões, 42% superior ao do mesmo período do ano anterior. Os ganhos acumulados nos nove primeiros meses do ano somam R$ 224,5 milhões, 15% acima do registrado em 2014.



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Alpargatas JBS Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Organizações éticas são desafio para conselhos no século 21
Próxima matéria
Avanço regulatório para os planos de investimento de administradores




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Organizações éticas são desafio para conselhos no século 21
Na manhã de quarta-feira, a Polícia Federal no Rio de Janeiro chegou à casa da família do banqueiro André Esteves, do BTG Pactual,...