Fundos soberanos criam código de governança

Governança Corporativa/Internacional/Temas/Edição 62 / 1 de outubro de 2008
Por , e


O International Working Group of Sovereign Wealth Funds — entidade que congrega os principais fundos soberanos do mundo — instituiu, no dia 2 de setembro, um código voluntário de princípios de governança, contabilidade e práticas de investimento. Denominado Generally Accepted Principles and Practices for Sovereign Wealth Funds (GAPP), o acordo foi assinado em um encontro do grupo, em Santiago (Chile).

“O GAPP irá aumentar a confiança dos mercados em relação a esse tipo de investimento”, disse Hamad al Suwaidi, diretor do Abu Dhabi Investment Authority, fundo soberano do Kuwait. Os SWFs ganharam destaque no noticiário financeiro depois de adquirir participações em Merrill Lynch, Citigroup e outras instituições financeiras americanas e européias que se encontravam em maus lençóis, devido à crise do subprime. Para muitos, o poder de fogo desses fundos — estima-se que seus patrimônios representem mais de US$ 3 trilhões — e a falta de transparência em suas políticas de investimento são uma ameaça ao equilíbrio financeiro global. O Grupo dos Sete havia sugerido ao Fundo Monetário Internacional (FMI), no fim do ano passado, o lançamento de um código de conduta que disciplinasse a atuação dos fundos soberanos.

Alguns países tentam impor limites por conta própria. O governo alemão propôs uma mudança em lei para impedir que entidades estrangeiras adquiram grandes participações em companhias estratégicas daquele país. Se aprovada, a medida impedirá a compra de mais de 25% dos papéis de grandes empresas alemãs por quem não seja da União Européia ou da Associação Européia de Livre Comércio.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  FMI Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Bancas brasileiras ganham destaque em ranking de M&A
Próxima matéria
Nyse Euronext lança plataforma de última geração



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Bancas brasileiras ganham destaque em ranking de M&A
A despeito de ter sido turbulento, 2008 rendeu bons frutos aos escritórios de advocacia brasileiros nas operações de fusão...