Fundo suíço estimula presença de mulheres nos conselhos

Bimestral / Relações com Investidores / Temas / Internacional / Edição 76 / 1 de dezembro de 2009
Por 


Confiando na capacidade feminina de gerar valor às companhias, a asset suíça Naissance Capital vai lançar em janeiro um fundo “feminino”. O Women’s Leadership Fund tem como premissa fundamental investir em empresas que tenham mulheres no conselho de administração, ou adquirir participações minoritárias naquelas que não
tenham e trabalhar ativamente pela inclusão feminina no board.
O fundo está em fase de captação e busca atingir US$ 2 bilhões de patrimônio. Até agora, já conseguiu levantar cerca de US$ 200 milhões. Seu conselho tem a presença de figuras como a ex-primeira ministra do Canadá Kim Campbell; Cherie Blair, advogada e esposa do ex-primeiro ministro britânico Tony Blair; e Jenny Shipley, ex-primeira ministra da Nova Zelândia.
A chegada do Women’s Leadership reflete o debate ocorrido na Europa sobre o papel dos conselhos na crise. No Reino Unido, a ministra da mulher e da igualdade, Harriet Harman, atribuiu a culpa pela eclosão da crise ao excesso de homens nas posições mais importantes das companhias.
Dados da consultoria 20-First confirmam a preocupação de Harriet. Europa e Ásia ainda são “clubes do Bolinha” quando o tema é o conselho. Em 68% das empresas do “Velho Continente”, não há nenhuma mulher no board, enquanto na Ásia o percentual sobe para 82%. Nos Estados Unidos, as empresas que possuem somente homens no conselho totalizam 11%.



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Investimentos Governança Corporativa conselho de administração Fundos de Investimentos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
IFC exalta atuação de bancos brasileiros na crise
Próxima matéria
Contra excessos na regulação, Nyse monta grupo de lobistas




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
IFC exalta atuação de bancos brasileiros na crise
A travessia relativamente tranquila pela tormenta da crise financeira global continua a render muitos elogios aos bancos...