Executivos de bolsa canadense são acusados após fusão

Captação de recursos/Internacional/Temas/Edição 53 / 1 de janeiro de 2008
Por 


Num espaço de quatro dias, a Bolsa de Montreal foi do céu ao inferno. No dia 10 de dezembro, tudo pareciam flores quando a Montreal Exchange, conhecida como MX, anunciou a fusão com a Toronto Stock Exchange (TSX), por US$ 1,3 bilhão, dando origem ao TMX Group. No dia 14, a Bolsa de Montreal veio a público novamente, mas por uma causa menos nobre: negar a existência de insider trading (uso indevido de informações privilegiadas em negociações) no processo de fusão das duas bolsas.

Segundo reportagem do jornal The Star, uma série de documentos trazidos à tona por François Legault, do Parti Quebecois — partido político da província de Quebec, comprovaria a participação de membros da diretoria da MX na compra de ações da própria empresa no segundo semestre de 2007. Pelo documento, o CEO da MX, Luc Bertrand, teria adquirido 150 mil ações da companhia, enquanto Jean Turmel, presidente do conselho de administração, teria adquirido outras 100 mil. Com a valorização de US$ 10 em bolsa de valores após o anúncio da fusão, estima-se que Bertrand tenha lucrado por volta de US$ 1,5 milhão.

Em sua nota — divulgada no site oficial da empresa —, a Bolsa de Montreal se defende: “Na época das transações (2 de agosto), a MX não se encontrava em discussões ou negociações com nenhuma parte a respeito de fusão ou qualquer outra operação”. Segundo a declaração, Bertrand e Turmel compraram as ações de dois outros executivos e insiders que haviam anunciado sua saída da empresa. Jean Charles Robillard, porta-voz da MX, afirmou, em entrevista ao jornal canadense, que, “por definição legal, não há como haver insider trading entre insiders”.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  mercado internacional fusões e aquisições bolsa de valores Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
SEC lança leitor de remuneração de executivos na web
Próxima matéria
FSA planeja lançar código de conduta voluntário contra insider trading



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
SEC lança leitor de remuneração de executivos na web
Desde 21 de dezembro, investidores norte-americanos podem comparar facilmente e instantaneamente o quanto 500 das maiores...