Evolução tímida

Autorizados desde o ano passado, fundos de investimento no exterior ainda reúnem baixo número de cotistas

Legislação e Regulamentação/Temas/Edição 69 / 2 de maio de 2009
Por 


Os fundos de investimento com ativos no exterior eram um desejo antigo de investidores brasileiros que buscavam vias de acesso menos tortuosas à liquidez externa. Pouco mais de um ano depois do sinal verde dado pela Instrução 465 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que abriu a cancela para fundos do País investirem a totalidade da carteira em ativos no exterior, esse tipo de aplicação continua tímida.

Em 23 de abril, estavam registrados na CVM 86 fundos que podem alocar a totalidade do portfólio lá fora. Excluindo-se os fundos exclusivos e aqueles dedicados a membros de uma mesma família, sobram pouco mais de 40 produtos no mercado. Embora numerosos, os fundos com aplicações no exterior ainda reúnem poucos cotistas e baixo patrimônio líquido. Desses, a maior parte (24) possui apenas um cotista, enquanto quatro fundos contam com mais de cinco — BTG Global (10), Gávea Investimento no Exterior (11), Gems Low Vol Longo Prazo (29) e Jaú FI Multimercado (7). O patrimônio líquido somado dos fundos não exclusivos é de R$ 2,48 bilhões. Para usufruir as permissões dadas pela Instrução 465, o fundo deve requerer uma aplicação mínima de R$ 1 milhão e explicitar o termo “investimento no exterior” em sua denominação.

Lance Reinhardt, diretor para a América Latina do Superfund, grupo austríaco com mais de US$ 1,5 bilhão administrado, diz que a crise econômica responde por parcela significativa dessa evolução tímida dos investimentos no exterior. “Os gestores estão esperando essa névoa de incertezas se dissipar para tomar a decisão de lançar um produto novo”, opina.

O próprio Superfund está à espera de um cenário mais límpido para lançar seu primeiro fundo no País, que terá aplicações no exterior. “No começo, investiremos 20% lá fora e o restante em renda fixa. O plano é migrar para 100% em ativos no exterior com o tempo”, conta Reinhardt. Apoiado em uma estratégia quantitativa, o fundo austríaco investe em mais de cem mercados futuros de commodities e contratos financeiros, além de câmbio, derivativos, juros e bônus.

Gustavo Coelho, responsável por alocação de recursos na Arsenal Investimentos, acredita que dificuldades operacionais também estariam inibindo a disseminação desses fundos. O funcionamento de itens como cotização e marcação a mercado pode variar de país para país, e o custo operacional de conciliar esses elementos com a realidade brasileira é alto. “É necessário um volume grande de recursos para justificar esses custos”, diz.

Enquanto alguns ainda estudam a entrada nesse mercado, um já está na porta de saída. O fundo Gems Low Vol, o primeiro a investir nos moldes da Instrução 465, está em processo de liquidação, depois de aprovação em assembleia de cotistas, no dia 19 de janeiro. Os problemas começaram quando o Gems — que investe em um fundo de fundos de sua congênere norte-americana — anunciou, em 6 de janeiro, o congelamento dos resgates, sob justificativa de que os ativos lá fora só conseguiriam cobrir 80% dos pedidos. O fundo tinha aplicações no famigerado fundo de Bernard Madoff, ex-chairman da Nasdaq, sobre quem pesam acusações de fraudes que beiram os US$ 50 bilhões. Apesar da participação pequena desses ativos (1%) na carteira, a desconfiança já estava instalada. Agora, os 29 cotistas restantes receberão seu dinheiro de volta assim que os ativos forem sendo liquidados no exterior.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CVM Fundos de investimento Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Os dois lados da moeda
Próxima matéria
Lupa no agente autônomo



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Os dois lados da moeda
A aquisição de controle ou takeover é um assunto-chave dentro da temática da governança corporativa. Sem um bom conjunto...