Era uma vez em uma terra distante…

A fantástica fraude da emissão de dívida de Poyais, um país que nunca existiu

Bimestral/Relações com Investidores/Prateleira/Temas/Edição 83 / 1 de julho de 2010
Por 


Alguém já ouviu falar da baía de Mosquitia e do território de Poyais? Embora ambos os nomes exalem o doce odor da fraude, apenas o segundo efetivamente nunca existiu (a baía de Mosquitia era o nome dado ao golfo entre a Nicarágua e o Panamá). Poyais foi obra da engenhosidade de um escocês singular, Sir Gregor MacGregor, e objeto de uma arrojada armação financeira no início do século 19, narrada na obra de David Sinclair The land that never was.

MacGregor, nobre de linhagem obscura, havia servido no exército inglês, no qual alcançara o posto de capitão. Um casamento de conveniência nesse período acostumou-o a um elevado padrão de vida, que começava a declinar à medida que ele consumia os recursos de sua esposa. Confrontado com a necessidade de manter sua pose de nobre, ele decidiu oferecer, em troca da promessa de elevadas compensações financeiras, sua experiência militar a Simón Bolivar, que lutava para libertar a Venezuela no início do século 19. Como a história é escrita pelos vencedores, MacGregor apresentou sua versão com fortes traços de bravura e determinação em combate, a despeito das numerosas evidências de fracassos sob sua liderança.

Munido de seu currículo de “libertador”, MacGregor chega à Londres de 1821 autointitulando-se “cacique de Poyais”, um território agraciado a ele pelo rei de Mosquitia, em reconhecimento a seus inestimáveis serviços à América Latina. “Imaginem um território com excepcionais recursos naturais, de fácil acesso, temperatura amena, civilização e cultura, cujo líder supremo é um guardião da democracia, reconhecido por sua luta contra o jugo espanhol na América Latina”. Esse era o mote utilizado por MacGregor para encorajar a imigração e o investimento no novo território, obviamente com promessas de retornos bem vantajosos. Em apenas um ano, após ser acolhido calorosamente pela nata da sociedade londrina, o escocês persuadiu milhares a participar de uma emissão de dívida de Poyais no valor de £ 200 mil (em torno de £ 12 milhões em cifras de hoje). Além disso, vendeu vários certificados de terras e organizou uma expedição de centenas de esperançosos imigrantes ao novo território, uma jornada da qual muitos jamais retornaram.

Em 1820, com a derrota de Napoleão e a promessa de paz duradoura, o governo inglês começou a repagar a dívida que havia acumulado no período de guerras, e os retornos sobre os papéis ingleses reduziram-se a minguados 5% ao ano. Ao mesmo tempo, vários países latinos haviam se libertado da Espanha e precisavam desesperadamente de recursos, abrindo espaço para a primeira onda de emissões soberanas da região (Colômbia e Chile). O excesso de otimismo e a ganância criaram as condições de mercado perfeitas para um fraudador como MacGregor, que literalmente oferecia terrenos na lua. Mas a maré haveria de mudar.

Após chegar a Londres a notícia de que os primeiros imigrantes de Poyais haviam sido resgatados por navios britânicos depois de serem dizimados por doenças tropicais e pela fome, MacGregor às escondidas muda-se para Paris. Uma vez confortavelmente instalado e politicamente conectado, ele tenta repetir a fraude, dessa vez sem sucesso. Preso pelas autoridades francesas, passaria menos de um ano na prisão até ser exonerado de suas acusações por falta de provas. De volta a Londres, o escocês empacota a fraude sob uma nova emissão de títulos, mas sua credibilidade é baixa. Ele enfrenta dificuldades financeiras. Como último recurso, decide apelar à Venezuela por reconhecimento de sua contribuição como general do exército de libertação, onde é recebido como herói e permanece até falecer em 1845.

Fraudes são uma parte indissociável da história humana. O elemento comum que propicia o ambiente para esses esquemas voltados a tomar o dinheiro dos incautos é a ambição exacerbada de lucro. Por isso, vale sempre lembrar o sábio conselho em latim: Caveat emptor (“comprador, cuidado”).


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Por que sua companhia não avalia o conselho de administração?
Próxima matéria
Após início trôpego, empresas passam a gostar da SOX



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Por que sua companhia não avalia o conselho de administração?
A autoavaliação do conselho de administração é pouco difundida entre as companhias brasileiras. Das 80 empresas com maior...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}