Entre CVM e Conselhinho, maioria dos processos demora mais de cinco anos para acabar

30/10/2014

Legislação e Regulamentação/Temas/Seletas / 31 de outubro de 2014
Por 


Em 2013 e nos primeiros dez meses de 2014, 45 processos com origem na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) foram julgados pelo Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional (CRSFN), também conhecido como Conselhinho, e chegaram ao fim. Dos 45, dois demoraram mais de dez anos para ter uma decisão definitiva, somando o tempo que passaram dentro do regulador do mercado de capitais e no conselhinho. A maioria deles, 21 no total, demorou entre sete e dez anos para ser julgado; 10 levaram entre cinco e sete anos; e apenas 12 foram julgados em menos de cinco anos.

“Não são dados animadores. O objetivo de educar o mercado fica prejudicado se a demora é tão grande”, diz Marcelo Beltrão da Fonseca, sócio do escritório Ulhôa, Canto, Rezende e Guerra Advogados, que fez o levantamento, apresentado no evento Direito das Companhias Abertas, promovido pela Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca), que aconteceu no último dia 29, em São Paulo. Os processos julgados pelo colegiado da autarquia vão para o CRSFN sempre que são alvos de recursos, seja do acusado, seja da própria área técnica da CVM — obrigada a entrar com recurso contra todo processo em que o réu é absolvido pelo colegiado.

Para Fonseca, uma solução possível seria liberar o regulador de recorrer de decisões do próprio colegiado se elas forem de um valor relativamente pequeno ou de infrações pouco graves, por exemplo, de modo a evitar sobrecarregar o CRSFN. O Conselhinho é formado por um representante da CVM, um do Banco Central (BC), um do Ministério da Fazenda e quatro de entidades ligadas ao mercado: atualmente, Anbima, Abrasca, Ancord e Febraban, e também tem de analisar processos provenientes do BC.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CVM CAPITAL ABERTO mercado de capitais CRSFN Ulhôa Canto Advogados Marcelo Beltrão da Fonseca Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Empresa de HFT terá de pagar US$ 1 milhão à SEC
Próxima matéria
Sem papas na língua



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Empresa de HFT terá de pagar US$ 1 milhão à SEC
A Securities and Exchange Commission (SEC) anunciou, em 16 de outubro, um acordo de US$ 1 milhão com a firma de investimentos...