Energia para investidores

Brix prepara–se para ser mercado de balcão e negociar contratos futuros com liquidação financeira

Bimestral/Governança Corporativa/Temas/Edição 104 / 1 de abril de 2012
Por 


A plataforma eletrônica de negociação de energia Brix movimenta–se para ser um mercado de balcão organizado, regulado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Em fevereiro, contratou o escritório de advocacia Pinheiro Neto para assessorá–la na segunda fase da plataforma, quando serão lançados contratos futuros de energia com liquidação financeira. A companhia espera obter a autorização da autarquia e começar a operar no novo formato até o fim do ano.

A Brix atua hoje no Ambiente de Contratação Livre (ACL) brasileiro. Nele, os consumidores de energia que ultrapassam 0,5 MW por mês podem comprar eletricidade de companhias geradoras. Até o ano passado, as negociações no segmento eram feitas, principalmente, por telefone. Com a chegada da Brix e de sua concorrente, o Balcão Brasileiro de Comercialização de Energia (BBCE), o comércio passou a ser feito também online. Elas administram sites nos quais os interessados podem inserir ofertas de compra e venda de contratos de fornecimento de eletricidade e ter acesso a índices de preço. No estágio atual, a entrega da energia é sempre física.

Tanto a Brix quanto a BBCE almejam tornar–se uma bolsa de energia. De acordo com Marcelo Mello, CEO da Brix, o mercado de balcão será um estágio intermediário nessa direção. Para tanto, o passo decisivo é a criação de um sistema de compensação e liquidação (clearing house), que exigirá investimentos vultosos. Mas Mello está confiante no retorno da iniciativa. Com a clearing, a Brix garantirá a liquidação das operações, atuando como contraparte quando necessário, o que pode alavancar o volume de negócios. “Haverá muito mais tranquilidade quanto ao risco de crédito”, diz. A BM&FBovespa não quis comentar a movimentação das possíveis futuras concorrentes. (Guilherme Amorim)


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Visão estratégica aliada ao controle da gestão
Próxima matéria
Companhias de papel



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Visão estratégica aliada ao controle da gestão
  Qual é o impacto, no valor de uma empresa de capital aberto, da adoção das melhores práticas de governança?...