Empresas optam por pagar dívida com mais endividamento

Gestão de Recursos/Internacional/Temas/Edição 64 / 1 de dezembro de 2008
Por , , e


Empresas endividadas e com caixa limitado estão usando o artifício chamado Payment In-Kind, ou simplesmente PIK, para acertar suas contas. É o que relatou o serviço de notícias LCD (da Standard & Poor’s), em novembro, a partir da análise de relatórios trimestrais de grandes empresas. Em vez de pagar empréstimos com dinheiro, empresas emitiram ou planejam emitir mais títulos de dívida para distribuir a seus financiadores. Pelo menos 47 operações do tipo foram anunciadas recentemente, totalizando US$ 33,4 bilhões em obrigações que vencem até 2018. Chama atenção no grupo a quantidade de empresas controladas por gestores de private equity. Ao todo, 18 receberam capital de risco nos últimos anos, segundo a publicação Financial Week.

A explicação tem a ver com a falta de liquidez no mundo. Preocupados em preservar o caixa das investidas, os gestores de private equity aumentam o prazo das obrigações esperando por uma melhora futura nas condições econômicas. Assim, não comprometem o fluxo de caixa, vital para empresas, principalmente em momentos de crise.

Foi o que fez a rede de hospitais HCA, comprada em 2006 por um pool de fundos por US$ 33 bilhões. O seu lucro líquido caiu de US$ 300 milhões para US$ 86 milhões, do segundo para o terceiro trimestre de 2008 — resultado temerário para uma empresa com dívidas na casa dos US$ 27 bilhões. A saída encontrada foi rolar US$ 1,5 bilhão do montante. Segundo os cálculos da rede de hospitais, a operação manteria US$ 145 milhões no caixa da empresa. De saúde, inclusive financeira, eles entendem.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  mercado internacional EUA Captações de recursos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Fundos nos EUA terão prospecto simplificado
Próxima matéria
FSA pune corretores hipotecários por falta de suitability



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Fundos nos EUA terão prospecto simplificado
No último dia 19 de novembro, a Securities and Exchange Commission (SEC) aprovou, por unanimidade, a criação de uma espécie...