Empresas com free float irregular são pegas na contramão

Companhias com o free float abaixo dos 25% mínimos exigidos pelos níveis de governança diferenciada da BM&FBovespa começam a cogitar um cenário em que o enquadramento não possa ser realizado. O regulamento permite que as estreantes tenham três anos, a partir da listagem, para se enquadrarem. Já as …



Companhias com o free float abaixo dos 25% mínimos exigidos pelos níveis de governança diferenciada da BM&FBovespa começam a cogitar um cenário em que o enquadramento não possa ser realizado. O regulamento permite que as estreantes tenham três anos, a partir da listagem, para se enquadrarem. Já as empresas que se desajustaram por força de um programa de recompra têm 18 meses para normalizar o free float. Das seis companhias fora do padrão, o Banco do Brasil (BB) é o que está com o prazo mais próximo de expirar.

O BB tem até o dia 28 de junho deste ano para injetar mais 4% de suas ações na bolsa. Pode parecer pouco, mas o valor de mercado da instituição, no fim de janeiro, estava em torno de R$ 36 bilhões. Isso significa que a instituição precisa fazer uma oferta de nada menos que R$ 1,4 bilhão até o vencimento do prazo. “O BB poderia ter atingido o free float se tivesse comprado a Nossa Caixa com ações. Mas o papel estava depreciado e preferimos usar dinheiro”, conta Marco Geovanne, gerente de Relações com Investidores (RI).

Antes de estrear no Novo Mercado, em 2006, o BB tinha 7% de free float. “Não havia demanda que suportasse uma oferta de 18% do valor de mercado do banco. Preservamos o acionista”, explica o executivo. Em dezembro de 2007, o BB aproveitou uma oportunidade e aumentou o free float para 21%. E teria feito mais ofertas até se adequar ao mínimo de 25% não fosse a deterioração do mercado.

“Acho difícil a janela reabrir até junho”, analisa Geovanne, que admite conversas informais com a bolsa para prorrogar o prazo até que o mercado melhore. Outra companhia a adotar o diálogo com a BM&FBovespa é a M. Dias Branco, que tem 19% de free float e até 17 de outubro para atingir os 25%. “A companhia estreou com um percentual abaixo do mínimo porque o mercado não a precificou corretamente. Poucos conheciam a companhia”, diz Álvaro de Paula, diretor de RI da fabricante de alimentos. (Marcelo Loureiro)


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  bmfbovespa free float Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Maria Helena Santana - Punir para educar
Próxima matéria
Novo diretor da CVM olha para agentes autônomos e clubes



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Maria Helena Santana - Punir para educar
Desde 5 de janeiro, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) monitora boa parte dos agentes do mercado sob sua alçada por meio...