Empreendedores do risco

Especial/Gestão de Recursos/Editorial/Private Equity e Venture Capital 2010/Temas / 1 de novembro de 2010
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Os investimentos de private equity não têm nem uma década de história no Brasil, mas seus registros já são impressionantes. No ano passado, segundo um estudo da PwC, as aquisições feitas por fundos com esse perfil corresponderam a quase um terço dos negócios fechados entre janeiro e outubro. O número é resultado da evolução que o segmento vem experimentando desde 2004, quando a Comissão de Valores Mobiliários plantou a sementinha do private equity no Brasil ao regulamentar os ingressos de capital em empresas privadas por meio de fundos de investimentos em participações (FIPs).

De lá para cá, inúmeros profissionais de investimentos encantaram-se pelo chamado capital de risco. Saíram das instituições em que trabalhavam, encontraram sócios com a mesma disposição e abriram suas próprias firmas de gestão de recursos especializadas em private equity e venture capital. Eles intuiam que os ventos soprariam a favor. Com a economia estabilizada e o mercado de capitais reflorescendo, aquela era a hora de se juntar a empresários visionários e preparar empresas para vender ações na Bolsa de Valores ou para um sócio estratégico.

Foi preciso coragem para enveredar por esse caminho. As taxas de juros eram ainda mais elevadas que as atuais, o que só fazia aumentar a exigência de rentabilidade. Mas essa turma perseverou e hoje tem do que se orgulhar. Assim como os empresários a que se associam, eles também empreenderam, nesse caso para construir a história do investimento de private equity no Brasil. Hoje seus passos estão sendo seguidos por gestores internacionais que a todo tempo xeretam oportunidades por aqui. E até mesmo por grandes bancos brasileiros, que antes passavam longe de investimentos dessa natureza.

Também graças a esses profissionais acumulamos um estoque — ainda pequeno, mas consistente — de boas histórias de investimento. E é para contá-las aos empresários, gestores e investidores interessados em private equity que a CAPITAL ABERTO publica esta segunda Coletânea de Casos voltada a capital de risco (a primeira circulou em setembro do ano passado). Trata-se de uma seleção de situações variadas de investimento desprovida de qualquer pretensão de sugerir um ranking ou indicar as melhores histórias.
Esperamos que gostem.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  private equity venture capital Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Aquisições mais transparentes
Próxima matéria
Pedalando mais e sempre



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Aquisições mais transparentes
A Instrução CVM 481/2009 (“Instrução 481”) consolidou o entendimento da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) acerca...