Disclosure das gestoras inglesas deixa a desejar

Captação de recursos/Bimestral/Governança Corporativa/Internacional/Temas/Edição 89 / 1 de janeiro de 2011
Por 


Uma pesquisa feita pela FairPensions mostrou que o nível de disclosure da indústria de fundos de investimento do Reino Unido permanece baixo, mesmo após o lançamento do Stewardship Code, código voltado a tornar mais diligente e transparente a gestão de recursos de terceiros. A FairPensions é uma organização não governamental inglesa que monitora a aplicação de princípios sociais, ambientais e de governança (ESG, na sigla em inglês) entre os fundos de pensão e gestoras.

Apesar de 24 das 29 gestoras consultadas afirmarem cumprir o código apresentado em julho de 2010, apenas 31% divulgavam informações públicas detalhadas sobre como procuram manter e aprimorar a responsabilidade social, ambiental e ética de suas investidas, com o objetivo de aumentar os retornos de longo prazo.

Outro ponto fraco detectado foi a ausência de divulgação dos votos proferidos nas assembleias das investidas em 17% das gestoras. O Stewardship Code incentiva que os investidores institucionais sempre participem das assembleias das companhias em que alocam recursos e não apoiem automaticamente as propostas da administração. Caso não concordem com elas, devem se abster de votar ou emitir voto contra a resolução. Em ambos os casos, é boa prática informar a companhia antes da assembleia sobre suas intenções e explicá-las.

Também chama a atenção o fato de 17% das gestoras não terem uma política que aponte como os princípios ESG são incorporados em suas atividades de investimento. De acordo com o Stewardship Code, os gestores devem intervir mais fortemente na empresa investida sempre que detectarem problemas nas práticas ambientais, sociais ou de governança. Essa atuação, segundo o código, é fundamental para proteger e criar valor aos acionistas.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  mercado internacional gestão de recursos captação de recursos Europa ​governança corporativa Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Cortes de Delaware perdem espaço entre os acionistas
Próxima matéria
Investidores reclamam de taxas cobradas pelos underwriters



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Cortes de Delaware perdem espaço entre os acionistas
Famosas pela expertise em direito empresarial de seus magistrados, as cortes de Delaware já não são tão requisitadas...