Cresce o apetite dos fundos por notas promissórias

Captação de recursos / Temas / Edição 70 / 1 de junho de 2009
Por  e


Com a queda da taxa de juros para 10,25%, e perspectivas de que o achatamento da Selic seja ainda maior, as notas promissórias (NPs) começam a atrair o apetite dos fundos de investimento. Além do curto prazo de vencimento, que diminui o risco, as NPs têm oferecido altas taxas de remuneração para gestores interessados em driblar as perdas de rentabilidade com a renda fixa. A CPFL Energia, por exemplo, emitiu, em abril, R$ 495 milhões, pagando 118% do CDI.

A taxa é bem superior à obtida no ano passado. Para se ter uma ideia, os títulos de dívida em geral pagavam, em média, 101,8% do CDI entre janeiro e abril de 2008 — segundo dados divulgados pela Credit Suisse Hedging-Griffo, durante o 5º Congresso de Fundos de Investimento da Anbid, em 26 de maio.

Para Ricardo Corradi Leoni, superintendente de mercados de dívida do Santander Brasil, esse cenário favorece a distribuição pulverizada de notas promissórias para investidores institucionais. “A primeira que vimos este ano foi a da Bradespar, em janeiro, que pagou 110% do CDI. No ano passado, a maioria das operações de notas promissórias ficava estacionada nos balanços dos bancos.”

A Precision Asset Management, especializada em títulos privados, foi uma das gestoras que aproveitaram a oferta da Bradespar. “Por ser um papel de curto prazo, podíamos segurá-lo até o vencimento”, afirma André Schibuola, gestor da Precision. Segundo ele, a oferta desses papéis para investidores institucionais ainda é tímida. “Se houver novas oportunidades em 2009 com boas taxas e qualidade de crédito, temos interesse”, ressalta.

De acordo com Gustavo Estrella, diretor de relações com investidores da CPFL, a demanda pelo papel foi superior ao volume oferecido ao mercado. “A emissão veio acompanhada de garantia total da CPFL Energia Holding que, somada ao curto prazo do papel e ao rating AA , conferiu risco baixo aos investidores em relação a sua remuneração.”

O número de ofertas de notas promissórias cresceu 56,25% este ano. Foram 25 operações entre janeiro e maio, ante 16 em igual período de 2008. A explicação, segundo Denise Pavarina, diretora gerente do Bradesco BBI, reside nos custos dos empréstimos bancários. Por estarem altos demais, devido às dificuldades trazidas pela crise, o número de empresas interessadas em se financiar por meio de notas cresceu este ano.

O volume total captado até agora, no entanto, diminuiu. Passou de R$ 8,81 bilhões para R$ 3,56 bilhões. A aparente contradição também encontra razões na crise financeira. Ainda que mais empresas tenham recorrido às notas, a demanda total por recursos caiu, devido à desaceleração econômica. O apetite por risco do investidor, por sua vez, também foi menor nesse período, destaca Luis Miguel Santacreu, analista financeiro da Austin Rating.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Notas Promissórias Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Companhias atraem mais acionistas para suas assembleias
Próxima matéria
Agentes de liquidez perdem clientes e querem ser mais seletivos




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Companhias atraem mais acionistas para suas assembleias
O movimento ainda é incipiente. Mas a preocupação de algumas companhias em reunir maior quórum de acionistas em suas...