Cota para mulheres no board pode virar lei na UE

Bimestral / Governança Corporativa / Temas / Internacional / Edição 104 / 1 de Abril de 2012
Por 


A iniciativa de Bélgica, França, Itália, Holanda e Espanha de criar cotas para a participação de mulheres em conselhos de administração pode virar lei na União Europeia. Conforme a chefe de Justiça da Comissão Europeia, Viviane Reding, a medida é necessária para o bloco atingir a meta de ter 40% de rostos femininos nos boards até 2020. “No ritmo atual, demoraríamos 40 anos para alcançar esse objetivo”, observa.

Atualmente, o percentual de mulheres nos conselhos de administração das maiores empresas europeias é 14%, ligeiramente maior do que os 12% registrados em 2010. Metade desse aumento deve–se à introdução, em 2010, na França, de uma política de cotas. A estatística é frustrante, avalia a comissária, considerando que, na Europa, 60% dos diplomados são mulheres. “Um ano atrás, eu pedi para as empresas, voluntariamente, aumentarem a presença feminina nos conselhos. No entanto, lamento ver que, apesar do apelo, a autorregulação não trouxe resultados satisfatórios”, diz Viviane.

Em 28 de maio, a Comissão Europeia termina o debate sobre o assunto e deve tomar sua decisão. “Eu não gosto da ideia de criar cotas, mas gosto muito do resultado que elas trazem”, afirma a comissária.



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
No auge
Próxima matéria
IPO do Carlyle sofre com desconfiança dos investidores




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
No auge
  No último ano, um otimismo sem precedentes trouxe ao Brasil excepcional quantia de capital externo em busca...