PwC é proibida de fechar acordos de consultoria em NY

Contabilidade e Auditoria / Internacional / Edição 133 / 1 de setembro de 2014
Por 


Pelos próximos dois anos, a PwC não poderá aceitar novos trabalhos de consultoria no estado de Nova York. Além disso, terá que pagar uma multa de US$ 25 milhões ao New York Department of Financial Services, regulador bancário local. De acordo com a autoridade, a PwC cedeu a pressões de um cliente e não prestou às autoridades informações relevantes para uma reforma regulatória.

O cliente em questão foi o Bank of Tokyo-Mitsubishi. A pedido dele, em 2008, a consultoria retirou o trecho de um relatório segundo o qual o banco havia falsificado informações referentes à transferência de recursos para países e entidades sob sanção econômica, como o Sudão e o Irã. Os repasses ilegais ocorreram entre 2002 e 2007 e renderam dupla penalidade à instituição financeira: ela foi multada em US$ 250 milhões e obrigada a revisar suas práticas de compliance.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Estados Unidos CAPITAL ABERTO mercado de capitais PwC Nova York Consultoria Irã Bank of Tokio Mitsubishi Sudão Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Companhias poderão contestar recomendações da ISS
Próxima matéria
Redes sociais são usadas por reguladores em investigações




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Companhias poderão contestar recomendações da ISS
A Institutional Shareholder Services (ISS), maior firma de recomendação de votos do mundo, lançou um portal de dados sobre...