Profissionais de compliance vivem momento crucial

Contabilidade e Auditoria / Internacional / Edição 134 / 1 de outubro de 2014
Por 


Os profissionais das áreas de gestão de risco e compliance vivem um ano crucial: precisam elevar a carga de trabalho e ser mais diligentes. Uma pesquisa da Thomson Reuters ouviu 600 profissionais da área em 41 países entre novembro de 2013 e janeiro de 2014. Mais da metade tinha a expectativa de ver sua responsabilidade pessoal crescer ao longo do ano; 17% supunham um aumento significativo.

As equipes de compliance também têm levado mais tempo para acompanhar mudanças regulatórias — um terço delas passa ao menos um dia inteiro por semana na tarefa. O estudo, divulgado em setembro, revelou ainda que as companhias estão buscando profissionais com mais experiência nessas áreas. Eles devem assumir a incumbência de implementar mudanças duradouras nos procedimentos de controle de riscos e fiscalização de conduta. Não à toa, dois terços dos entrevistados esperam um aumento da verba para o setor este ano.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais Gestão de riscos compliance Thomson Reuters riscos internos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Mercados de fronteira valorizam mais que emergentes e desenvolvidos
Próxima matéria
Companhias pagam caro para brigar com ativistas




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Mercados de fronteira valorizam mais que emergentes e desenvolvidos
Quem colocou dinheiro na carteira MSCI EAFE, que contém 900 ações de países desenvolvidos (menos Estados Unidos e Canadá),...