Poucas empresas têm comitê de análise de riscos

Contabilidade e Auditoria/Internacional/Edição 131 / 1 de julho de 2014
Por 


Um levantamento divulgado pela Deloitte no começo de junho mostra que as companhias abertas estão cada vez mais preocupadas em avaliar, identificar e resolver seus fatores de risco. Para chegar a essa conclusão, a consultoria analisou 400 empresas dos seguintes países: Brasil, Estados Unidos, Austrália, China, México, Holanda, Cingapura e Reino Unido.

Das companhias analisadas, 38% têm um órgão ligado ao conselho de administração voltado a analisar riscos. Em 22% delas, há um comitê instalado para exercer especificamente essa atividade. Nos 16% restantes, essa tarefa é atribuída ao comitê de auditoria. O país que registra a maior porcentagem de empresas com comitê exclusivo de controle de risco é Cingapura, com 42%, seguido pela China (30%) e pelo Brasil (26%).

A existência de comitês de risco é mais recorrente no setor de serviços financeiros. No total, 67% das empresas desse ramo têm um órgão exclusivo para avaliar ameaças — no Brasil, esse número é de 38%. A prevalência do segmento deve-se à regulação: Austrália, Brasil, México, Cingapura e Reino Unido possuem regras que obrigam as instituições financeiras a adotar esse tipo de comitê, embora haja exceções para as companhias de pequeno porte.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  conselho de administração Estados Unidos Comitê de auditoria México Brasil CAPITAL ABERTO mercado de capitais Reino Unido China Deloitte Austrália Cingapura Holanda comitê de risco controle de risco Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
À espera de outubro
Próxima matéria
Fundos islâmicos se recuperam depois de ano fraco



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
À espera de outubro
Outrora adorada na bolsa de valores brasileira, a ação da Petrobras se tornou, nos últimos tempos, motivo de desgosto....