Fisco conclui primeiro caso de incorporação de ações favorável ao contribuinte

Contabilidade e Auditoria/Seletas/Edição 140 / 1 de abril de 2015
Por 


No começo de março, a Câmara Superior de Recursos Fiscais (CSRF), última instância administrativa da Receita Federal, reconheceu o primeiro caso em que o contribuinte não pagará impostos sobre os ganhos decorrentes de uma incorporação de ações. Até então, o Fisco equiparava a operação à integralização de capital com bens, que pode ser feita pelo custo histórico, sem incidência de impostos, ou pelo valor de mercado, com tributação se houver ganho.

No caso analisado pela Câmara, uma empresa incorporou sua controladora. Como as duas são sociedades anônimas sob controle comum, a operação dependia da elaboração de um laudo de avaliação para seguir adiante. O documento apontou que as companhias valiam mais do que dizia a declaração de imposto de renda do dono, que acabou autuado a pagar impostos sobre a mais-valia. “Na verdade, não houve ganho [de caixa] nenhum”, justifica a Valéria Zotelli, sócia do escritório Miguel Neto Advogados e responsável pelo caso.

Como não há tratamento tributário específico para a situação, o Fisco aceitou aplicar a regra geral a que submete as pessoas físicas. Ou seja, o tributo incide sobre os ganhos auferidos pelo regime de caixa, e não pelo de competência. Dos dez conselheiros da Câmara, seis foram favoráveis ao contribuinte.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais tributação Receita Federal Fisco incorporação de ações Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Gestoras de recursos poderão vender os próprios fundos no ano que vem
Próxima matéria
Capital paciente



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Gestoras de recursos poderão vender os próprios fundos no ano que vem
A partir de 4 de janeiro de 2016, as gestoras de recursos poderão comercializar seus próprios fundos de investimento de forma...