Companhias fazem contraproposta de regime de tributação

Contabilidade e Auditoria / Bimestral / Legislação e Regulamentação / Edição 103 / 1 de Março de 2012
Por 


Com o fim do Regime Tributário de Transição (RTT) marcado para dezembro de 2012, governo e iniciativa privada discutem alternativas à sucessão do modelo de tributação. Criado em 2008, logo após a Lei 11.638 introduzir na Lei das S.As. a adoção dos padrões contábeis internacionais (IFRS, na sigla em inglês), o RTT serviu para neutralizar os possíveis impactos fiscais decorrentes da mudança no diploma societário. O Fisco defende agora a criação de um regime totalmente novo, denominado Livro de Ajustes da Convergência (LAC), que entraria em vigor por meio de medida provisória ou projeto de lei.

Mas essa não é a preferência das empresas. Em 27 de fevereiro, o Grupo de Estudos Tributários Aplicados (Getap), associação formada por 43 companhias abertas e fechadas, apresentou à Receita Federal sua contraproposta. O objetivo do grupo é manter o método atual, o Livro de Apuração do Lucro Real (Lalur), porque, além de já estar em uso, ele requerer apenas ajustes que contemplem conceitos da nova contabilidade. A permanência do modelo também facilitaria o dia a dia das companhias abertas, que continuariam a preparar, numa primeira etapa, o balanço societário e, somente depois, o demonstrativo enviado ao Fisco.

Caso prevaleça o modelo concebido pela Receita, o LAC, as empresas terão de elaborar um balanço com novas regras para fins fiscais e, a partir deste, um demonstrativo contábil societário. A ideia não agrada às companhias. “Nossos clientes não estão satisfeitos com o LAC por causa dos custos decorrentes da dupla contabilidade”, conta Evany Oliveira, diretora da PwC especialista na área tributária.

A Receita teria, inclusive, indicado a intenção de tributar a diferença de lucro entre os balanços que for distribuída na forma de dividendos. Hoje, os dividendos não são tributados porque se entende que a companhia pagará todos os impostos sobre o lucro auferido quando elaborar, numa segunda etapa, o balanço fiscal. Com o lucro fiscal passando a ser calculado antes e sendo menor que o societário, as empresas poderão, na visão da Receita, acabar distribuindo proventos sobre um lucro não tributado. A cobrança desse tributo, no entanto, incorreria em problemas práticos, segundo os auditores. “O imposto seria retido na fonte ou pago pelo acionista?”, questiona Diogo Ruiz, sócio da KPMG.



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  IFRS RTT Receita Federal Getap Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Receita Federal rejeita subjetividade de regras contábeis
Próxima matéria
Dividendos como isca




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Receita Federal rejeita subjetividade de regras contábeis
Ao criar um novo regime tributário, seja ele uma adaptação do Lalur ou a criação do LAC (veja a nota anterior), a Receita...