Caminhos para uma boa renegociação de dívida

Um plano de reestruturação de sucesso depende de uma análise precisa dos cenários operacional e financeiro da empresa, além de uma ágil identificação dos primeiros sinais de problemas. Mas é nesse processo que empresários criam armadilhas comportamentais, como aquelas que envolvem falsas …

Contabilidade e Auditoria/Artigo/Seletas/Edição 52 / 14 de outubro de 2016
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Fabio Flores*

Fabio Flores*

Um plano de reestruturação de sucesso depende de uma análise precisa dos cenários operacional e financeiro da empresa, além de uma ágil identificação dos primeiros sinais de problemas. Mas é nesse processo que empresários criam armadilhas comportamentais, como aquelas que envolvem falsas expectativas sobre a melhora das contas — que só aumentam as dívidas. A renegociação de passivos exige cuidados. É importante equilibrar razão e emoção. O empresário precisa se livrar do medo do estigma de mau pagador, que o leva a postergar decisões cruciais e o aproxima da falência.

No campo financeiro, contudo, as soluções são mais objetivas. Basicamente, há cinco caminhos para sanar dívidas. Vamos a eles:

Negociação direta e individual com credores. É indicada para empresas com geração de caixa positiva e endividamento que não ultrapasse mais de cinco vezes o montante do caixa projetado, considerando uma pequena redução como antecipação a um possível agravamento da crise. Funciona também para organizações com credores primordialmente financeiros e pouco numerosos — é possível uma mudança ágil do perfil da dívida. A discussão normalmente fica com as áreas comerciais dos bancos, exceto quando há dívidas vencidas. Os credores pedirão aumento de garantias, talvez alienações fiduciárias. Mas não se deve entregar garantias sem contrapartida concreta, a menos que haja total segurança de solução no longo prazo.

Negociação direta e organizada com credores. É adequada para empresas cujo quadro de credores não seja grande ou que não tenham interesses muito distintos, permitindo uma renegociação em bloco. Os acordos podem ser do tipo “stand still”, com um período sem cobrança de juros, especialmente enquanto novos termos são negociados. É possível ainda que eles sejam acertados em conjunto com todos os credores dentro de um mesmo pacote, o que reorganiza a distribuição das garantias existentes.

Recuperação extrajudicial. Sua homologação requer aprovação de 60% dos credores de uma determinada categoria, conforme a legislação, e é possível forçar os dissidentes (os 40% restantes) a aderir ao plano. É uma forma híbrida, em que parte da negociação ocorre fora da corte, mas com registro e validade judiciais. Viabiliza resultados relevantes, com baixos impactos operacional e de imagem.

Recuperação judicial. Aplica-se a instituições que possuam um quadro geral de credores complexo, com diversos participantes representando interesses distintos (bancos, factorings, fornecedores, funcionários etc). Possibilita a negociação com múltiplos credores de forma organizada e pacífica, dentro de um prazo determinado. Bons planos de recuperação judicial propiciam uma rápida retomada dos negócios, mas o mecanismo só funciona quando há um caminho concreto de recuperação. É fundamental que a companhia planeje com antecedência como financiar o capital de giro no período, pois o mercado de financiamento de empresas nessa situação é praticamente inexistente no Brasil.

Liquidação. Destinada a empresas com caixa negativo e integrantes de um setor sem horizonte de recuperação. Vale igualmente para companhias com endividamento impagável (mesmo que se envolva outros tipos de ativos, como imóveis). É feita uma revisão geral e organizada do negócio, o que confere celeridade aos credores. Permite ao empresário recomeçar, sem postergar uma situação inevitável.

São várias as formas de se conduzir um trabalho de renegociação de dívida junto aos credores. A escolha da estratégia correta, fundamentada em um bom diagnóstico financeiro, aumenta as chances de se chegar a um acordo que possibilite o soerguimento ou a reestruturação da empresa — e não a protelação do problema. O bom diagnóstico é a verdadeira chave para uma boa renegociação.


*Fabio Flores (ff@tcp-latam.com) é sócio da consultoria TCP Latam


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  liquidez recuperação judicial reestruturação renegociação de passivos negociação com credores recuperação extrajudicial liquização Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Decisão sobre conselheiros da Oi vai para a Justiça
Próxima matéria
Desvios oportunos



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Decisão sobre conselheiros da Oi vai para a Justiça
A novela da disputa dentro do conselho da Oi ganhou mais um capítulo na última sexta-feira, 22. Em reunião do board...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}