Como anda o caso de insider trading da JBS

Protagonistas da primeira prisão pelo crime no Brasil, donos da JBS têm proposta milionária de termo de compromisso rejeitada pela CVM

Em Pauta/Companhias abertas / 28 de setembro de 2018
Por 


Na quarta-feira, dia 26 de setembro, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) rejeitou proposta de termo de compromisso, no valor de 184 milhões de reais, para encerrar um inquérito e dois processos sancionadores abertos por insider trading, falha no dever fiduciário e manipulação de mercado contra a JBS, os irmãos Joesley e Wesley Batista, a J&F Investimentos (holding controladora da JBS), a Eldorado Papel e Celulose e outros envolvidos em negociações irregulares ocorridas pouco dias antes da delação premiada dos irmãos Batista. O conteúdo da delação liberada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 19 de maio do ano passado, baseada em depoimentos dos donos e de executivos do JBS, revelou supostos pagamentos de propina a Michel Temer, aos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, a Aécio Neves e José Serra, entre outros políticos.

De acordo com acusação da Superintendência de Processos Sancionadores (SPS) e da Procuradoria-Federal Especializada (PFE), o lucro da compra e venda de ações feitas com o uso de informação privilegiada teria sido de 72 milhões de reais; já os ganhos com contratos derivativos de câmbio operados de forma irregular são estimados em 520 milhões de reais. Além disso, JBS, Seara e Eldorado, empresas pertencentes à J&F, teriam lucrado cerca de 70 milhões de reais com contratos de câmbio dias antes do vazamento. Para relembrar o caso, leia essa reportagem.

Na proposta de termo de compromisso, Joesley se dispôs a pagar 5,3 milhões de reais à CVM; Wesley ofereceu 10,3 milhões de reais. Já a Eldorado, a JBS e a J&F ofereceram, respectivamente, cerca de 85 milhões, 30 milhões e 47 milhões de reais. O regulador, entretanto, considerou que, dada a gravidade do caso, não seria conveniente aceitar as propostas.

O caso na Justiça

Na Justiça, o caso de insider trading de Joesley e Wesley Batista rendeu a primeira prisão pelo crime no Brasil, em setembro de 2017. Após decisão da 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, no âmbito da Operação Acerto de Contas da Polícia Federal (PF), Wesley Batista foi preso preventivamente e um novo pedido de prisão contra Joesley, que já estava detido temporariamente em Brasília, foi expedido.

Às vésperas do vazamento da delação pelo jornal O Globo, Joesley determinou a venda pela FB Participações — empresa pertencente aos irmãos e detentora de cerca de 40% da JBS — de 42 milhões de ações da JBS a 372 milhões de reais. A própria JBS, que tinha Wesley na presidência, passou então a recomprar esses papéis, de modo a amortizar as perdas com a inevitável desvalorização das ações no momento em que a delação fosse divulgada. Além disso, um dia antes da publicação da notícia, em 17 de maio, a JBS negociou a compra de 474 milhões de dólares. No dia seguinte, a moeda americana disparou. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), essas operações geraram ganhos expressivos para os irmãos Batista, além de evitar que perdessem 100 milhões de dólares com a desvalorização cambial.


Leia também

Punição à insider trading secundário é utopia 

Compliance contra o insider trading

É correta a criminalização do insider secundário? 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CVM JBS Insider trading Seara Joesley Batista J&F irmãos Batista Eldorado Esley Batista Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Punição a insider trading secundário é utopia
Próxima matéria
Petrobras fecha acordo com SEC e DOJ para encerrar processos nos EUA



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Punição a insider trading secundário é utopia
Desde 2001 o crime de insider trading integra o ordenamento jurídico brasileiro, obra da inclusão do artigo 27-D à Lei 6.385/76....
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}