Combustível para crescer



Histórias de empresários que se capitalizam com a ajuda de investidores ainda são uma novidade no Brasil. Foram cinco anos de escassez de ofertas iniciais de ações (os IPOs, na sigla em inglês) até o início, em 2004, de um período próspero para as aberturas de capital. Sem dúvida, uma mudança importantíssima, porém pouco representativa quando confrontamos as nossas estatísticas com as de outros emergentes. O Brasil tem muito menos empresas abrindo o capital do que seus pares, como mostra a reportagem da jornalista Marília Ávila, a partir da página 26.

A comparação internacional estimula uma análise mais elaborada do momento atual do mercado de capitais brasileiro. O baixo número de IPOs dos últimos anos não tem a ver apenas com as crises internacionais — a justificativa mais recorrente — mas, principalmente, com problemas dentro de casa. Acostumados durante anos com uma economia fechada e pouco competitiva, muitos de nossos empresários, em especial os de porte médio, ainda não encaram com naturalidade a ideia de abrir mão de uma fatia relevante de seu empreendimento, muito menos do controle, para obter o capital de que necessitam.

É claro que a culpa não é apenas do emissor. Antes de tudo, falta demanda.
Se percebessem um apetite forte dos investidores, com perspectivas atraentes de preço para suas ações, esses empresários certamente estariam mais tentados a aceitar a convivência com acionistas minoritários. Nossa experiência recente mostra que o investidor internacional não gosta de aportar grandes quantias em negócios que possam lhe oferecer baixa liquidez. Portanto, à exceção de períodos de euforia como o ano de 2007, é do investidor doméstico, tanto o institucional como as pessoas físicas, que vem o estímulo às aberturas de capital. É da poupança interna que se extrai o combustível para o crescimento das empresas no longo prazo.

Ter um mercado de capitais autossustentável, capaz de prover recursos a um número muito maior de empresas do que vimos até agora, é um fator crucial para a competitividade do País. O Tesouro Nacional vem dando sinais de esgotamento da sua capacidade de ampliar as contribuições para o BNDES, até hoje responsável por boa parte do financiamento das companhias brasileiras. Cabe ao governo pensar estratégias mais robustas e efetivas de movimentar o nosso mercado de capitais. Os avanços obtidos pelas regulações privada e estatal são notórios, contudo ainda faltam algumas peças para compor o ambiente econômico que suportará um crescimento mais forte do Brasil nos próximos anos.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Concorrência é aberta para ETFs, mas BDRs continuam exclusivos
Próxima matéria
Mais eficiência



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Concorrência é aberta para ETFs, mas BDRs continuam exclusivos
A BM&FBovespa recebeu, no mês passado, quatro propostas de gestores interessados no ETF lastreado no índice do setor...