Choque de gerações

Uma nova ordem econômica mundial emerge das mudanças seculares que vivemos

Gestão de Recursos / Temas / Prateleira / Edição 68 / 1 de abril de 2009
Por 


Nada será como antes. A despeito do clichê em tom profético, o mundo dos investimentos está emergindo em uma nova era, segundo Mohamed El-erian, autor do livro Mercados em colisão. Há mudanças tectônicas em sua dinâmica. A maior dificuldade neste momento é separar os sinais da transformação do ruído gerado pelos mercados. Afinal, o que é passageiro e o que é tendência de longo prazo?

El-Erian, diretor executivo da Pimco, um dos maiores gestores de renda fixa do mundo, e com passagem na gestão de recursos da Universidade de Harvard e no Fundo Monetário Internacional (FMI), tem bons argumentos para avaliar a situação. Vale considerar alguns cenários traçados no livro:

• países que não tinham relevância histórica no crescimento global se transformaram em suas locomotivas econômicas;

• nações outrora devedoras acumulam recursos vultosos e acabam financiando os déficits das nações desenvolvidas;

• novos produtos financeiros “fatiam” o risco e o distribuem aos investidores por meio de mecanismos que escapam à regulação tradicional.

A convergência dessas forças criou a “tempestade perfeita” nos mercados financeiros, opondo o mundo de ontem ao de amanhã com todos os efeitos que temos vivido desde a metade de 2007. Os desafios impostos pela dimensão dessa transformação são enormes, não apenas para os investidores, mas também para governos e agentes regulatórios. Estes últimos grupos têm o mandato de controlar o “encanamento” pelo qual “fluem” os recursos utilizando-se de torneiras e válvulas de contenção, com o objetivo de promover o bem-estar das nações.

No entanto, suas ferramentas tradicionais de controle têm demonstrado certa dose de ineficácia no processo, com significativos impactos sobre a economia real de seus países. Não é à toa que, nesse processo, instituições tradicionais como o FMI e o Banco Mundial tenham perdido sua relevância como agentes estabilizadores da economia mundial: as fórmulas de outrora não funcionam mais.

Ganhadora do prêmio de melhor livro de negócios de 2008, segundo o Financial Times e o Goldman Sachs, a obra faz, em sua primeira parte, um diagnóstico simples, objetivo e elegante das macrotendências que emergem, indicando potenciais efeitos de longo prazo. Mas o autor confessa no prefácio que precisou fazer escolhas com relação a público-alvo, conteúdo e tom da redação, o que obviamente leva a trade-offs significativos.

A segunda parte da obra, que trata das recomendações e sugestões de como enfrentar o novo paradigma, não tem o mesmo impacto da anterior. Em outras palavras, os sintomas do paciente estão bem diagnosticados, mas a definição de quais medicamentos têm maior probabilidade de restaurar a saúde do paciente ainda é algo fugaz.

Os realinhamentos de poder econômico entre os atores mundiais e a complicada transição de poder e controle em andamento têm provocado profundo impacto sobre o crescimento econômico, a acumulação de riqueza, a inflação, e o retorno sobre investimentos. Além desses desafios, a turbulência está provocando uma verdadeira catarse no mundo acadêmico, em que a teoria dos mercados eficientes prevalece como um alicerce das decisões de investimento desde 1970. Afinal, em um mundo de agentes econômicos racionais, como explicar a aparente irracionalidade de uma bolha? O fato é que os seres humanos, antes de serem racionais, são apenas humanos.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  nova ordem econômica mundial Mercados em colisão Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Assembleia de verdade
Próxima matéria
Sinais de juro baixo




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Assembleia de verdade
Imagine esta situação: a companhia convoca a assembleia ordinária do ano, os administradores apresentam a sua chapa para...