CCBs passam ilesos por manifestação da CVM e seguem em alta

Legislação e Regulamentação/Temas/Edição 61 / 1 de setembro de 2008
Por  e


No começo do ano, em resposta a um pedido de dispensa de registro, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) manifestou-se, pela primeira vez, no sentido de que as Cédulas de Crédito Bancário (CCBs) devem ser consideradas valores mobiliários passíveis das normas exigidas para uma oferta pública. Até então, esses papéis eram tratados apenas como títulos de crédito. A decisão causou alvoroço no mercado. O receio era de que a interpretação gerasse maior cautela por parte dos bancos na hora de analisar empréstimos vinculados a CCBs.

Mais de seis meses depois, apesar de a CVM ainda não ter elaborado norma específica, nota-se um cenário diferente. De acordo com os dados da Cetip (balcão organizado de ativos e derivativos), o estoque de CCBs soma, até o último dia 29 de agosto, R$ 18,3 bilhões. A cifra é 41% superior aos R$ 12,9 bilhões disponíveis para negociação no encerramento do ano passado. Profissionais que acompanham o segmento afirmam que a estrutura tradicional das operações com CCBs não as encaixa na definição de valor mobiliário dada pela CVM, que pressupõe a distribuição com divulgação pública. Daí a ausência de impacto decorrente da interpretação da autarquia.

A ampliação do segmento de CCBs também levanta novas questões, em especial sobre procedimentos que assegurem o comprometimento das instituições financeiras. “Os bancos não deveriam ser obrigados a adquirir uma parcela dos títulos que repassam?”, indaga Paulo Sampaio, superintendente geral da Associação Nacional das Instituições do Mercado Financeiro (Andima), entidade que elaborou, em julho, um parecer de orientação sobre CCBs.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  investimentos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Projeções para o Ibovespa ficam cada vez mais distantes das iniciais
Próxima matéria
Apresentações do Workshop CAPITAL ABERTO



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Projeções para o Ibovespa ficam cada vez mais distantes das iniciais
No começo de 2008, as principais projeções para o Ibovespa apontavam alta de mais de 30% no ano. O índice, que havia...