Virou lixo

O rebaixamento da nota de crédito da Petrobras pela agência Moody’s, no fim de fevereiro, deu o que falar, sobretudo entre os estrangeiros. Os títulos da petroleira viraram “junk”. “Another bric in the wall”, brincou um gestor sueco, fazendo um trocadilho entre a sigla dos grandes emergentes e a …



virou-lixoO rebaixamento da nota de crédito da Petrobras pela agência Moody’s, no fim de fevereiro, deu o que falar, sobretudo entre os estrangeiros. Os títulos da petroleira viraram “junk”. “Another bric in the wall”, brincou um gestor sueco, fazendo um trocadilho entre a sigla dos grandes emergentes e a música do Pink Floyd. Em tom mais sério, Juan Ruiz, economista-chefe do BBVA para a América do Sul, ressaltou que o ano deve ser complicado para o País. “A queda de investimentos e do crescimento do Brasil tende a ser grande”, escreveu, destacando, em seguida, outros números preocupantes da economia, como a alta da inflação e o déficit em conta-corrente.

Link: bit.ly/1zf22dC

Ilustração: Marco Mancini/Grau 180.com


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Petrobras CAPITAL ABERTO mercado de capitais Moody's Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Não vale culpar a CVM
Próxima matéria
Contabilidade (destaques encontro 2/12)



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Não vale culpar a CVM
A imprensa especializada não poupou, nos últimos meses, críticas à atuação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM)....