Uma Cremer só para a Tarpon

Captação de recursos / Adiante / Edição 132 / 1 de agosto de 2014
Por 


A saída da Cremer do nível máximo de governança corporativa causou burburinho entre os investidores. Não é para menos. Foi a primeira companhia a deixar o Novo Mercado da BM&FBovespa sem se deslistar. O adeus da fabricante catarinense de produtos de higiene e saúde foi resultado do incremento de participação da controladora Tarpon no capital da empresa. Em abril, a gestora de recursos paulista, que já detinha 71,7% das ações, divulgou ao mercado intenção de elevar ainda mais essa fatia, para 96%.

Inicialmente, imaginou-se que a compra dispararia duas ofertas públicas de aquisição de ações (OPA): uma por aumento de capital, como pede a Instrução 361 da CVM, e outra para retirar a companhia do Novo Mercado, já que não teria mais 25% de free-float. A autarquia, contudo, acabou dispensando a Tarpon da primeira obrigação. Entendeu que o limite de um terço do free-float, que dispararia a necessidade de OPA, foi rompido não por atuação efetiva da gestora, mas devido a recompra de ações realizada pela Cremer. Posteriormente, os papéis foram cancelados. Como resultado, a gestora, por meio de seu fundo Arapaima Participações, fez apenas a OPA para retirar a Cremer do Novo Mercado, em 30 de junho. O preço oferecido por papel foi de R$ 17, um prêmio de 21% sobre a cotação de 13 de março, véspera do anúncio do negócio.

Para o diretor jurídico do IBGC, Matheus Rossi, o abandono de segmento não implica necessariamente um revés na transparência da Cremer com seus sócios. “Mesmo no nível Tradicional, a empresa pode manter o atendimento às regras [mais rígidas] de proteção ao acionista, até porque ela já tem uma estrutura montada para atender a essas normas.” Além disso, a decisão de manter a companhia listada pode indicar o desejo de voltar a usar o mercado de capitais no futuro, observa Rossi. No edital da oferta, a companhia informou que não pretende alterar seu estatuto social, especialmente no que diz respeito ao “direito de tag along integral dos acionistas minoritários”. O free-float da companhia hoje é de apenas 2%. Consultadas, Tarpon e Cremer não concederam entrevista.

Se nada muda em termos de governança, o mesmo não se pode afirmar sobre os rumos do negócio após o aumento de participação. O mercado se questiona por que a Tarpon quis ampliar sua fatia se já detinha o controle da Cremer. De acordo com o analista da Fator Corretora Pedro Zabeu, a operação é um indicador da confiança da Tarpon no potencial de pagamento de dividendos futuros da Cremer, que, na nova configuração, ficará quase todo para ela. Conhecida por apitar na gestão das investidas, a Tarpon iniciou uma transformação na companhia desde que se tornou sua acionista, em 2008. De tradicional fabricante de produtos têxteis hospitalares, a empresa fundada na década de 1930 tornou-se uma fornecedora completa de produtos para higiene e saúde.

Nos últimos quatro anos, a Cremer gastou cerca de R$ 150 milhões em aquisições que lhe permitiram ingressar em novos nichos, como o de produtos plásticos e luvas. Ao mesmo tempo, reforçou parcerias comerciais. O faturamento no período quase dobrou, chegando a R$ 571 milhões em 2013. Segundo Zabeu, com um portfólio mais completo e melhor distribuição, a Cremer espera se aproveitar do crescimento do setor de saúde no País. “A Tarpon tem agora muito mais liberdade para tocar a companhia do jeito dela”, comenta o analista da Fator.

Ilustração: Eric Peleias


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Novo Mercado CAPITAL ABERTO mercado de capitais OPA Tarpon aumento de capital Cremer oferta pública de aquisição Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Doce perspectiva (São Martinho)
Próxima matéria
FIDCs ensaiam recuperação no primeiro semestre




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Doce perspectiva (São Martinho)
A ação da São Martinho subiu 36,8% no ano até o dia 21 de julho. A alta, significativa por si só, ganha contornos impressionantes...