Por 


O Cade também está reavaliando a Resolução 2, que disciplina os casos que envolvem participação societária. Propôs não mais notificar as operações de aumento de participação de acionistas controladores e aquelas em que um acionista se torna o maior investidor individual, mas quer ser avisado sobre transações feitas por meio de emissão de debêntures conversíveis em ações, uma exigência até então inexistente. O órgão antitruste também sugeriu novos critérios de notificação para transações realizadas por fundos de investimento. O intuito é afinar a peneira de quem passa pelo seu crivo e analisar apenas as operações com maior potencial de concentração econômica. As contribuições do mercado podem ser enviadas até o dia 21 de março.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  audiência pública Cade Fundos de Investimentos CAPITAL ABERTO mercado de capitais notificação Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Diversificar é preciso
Próxima matéria
Revisão de regras I




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Diversificar é preciso
Letras de crédito imobiliário (LCIs), certificados de operações estruturadas (COEs) e CDBs terão mais um ambiente de negociação....