MPF acusa Eike de fraude e bloqueia R$ 1,5 bilhão em bens do empresário

Captação de recursos / Seletas / 15 de setembro de 2014
Por 


eikepetroleoNo sábado, o Ministério Público Federal (MPF) do Rio de Janeiro denunciou Eike Batista pelos crimes de manipulação de mercado e insider trading, ambos no caso OGX. Com esse passo, a polêmica ao redor do empresário deixa o âmbito administrativo (área de atuação da CVM) e ganha a esfera criminal. Se for condenado, Eike pode até ser preso. A legislação prevê reclusão de um a oito anos para o crime de manipulação do mercado e de um a cinco anos em caso de uso indevido de informação privilegiada.

Para garantir que o mercado seja indenizado, o MPF também decretou o bloqueio dos bens de Eike até o valor de R$ 1,5 bilhão. “Tal quantia equivale ao prejuízo suportado pelo mercado de ações em consequência da conduta criminosa do denunciado”, destacou o procurador Orlando Monteiro Espíndola da Cunha. A medida inclui até imóveis que tenham sido recentemente doados. O Ministério Público identificou que o empresário pode ter reduzido seu patrimônio justamente para driblar o bloqueio.

De acordo com o MPF, Eike simulou a contratação da cláusula em que se obrigaria a aportar US$ 1 bilhão na OGX caso a empresa precisasse de recursos. O anúncio foi feito por meio de fato relevante, em outubro de 2012. A notícia passou ao mercado a ideia de que o empresário acreditava de tal forma no sucesso da OGX que estava disposto a injetar recursos do próprio bolso para garantir o sucesso da empreitada. Para o MPF, a cláusula era apenas um blefe, uma jogada de “má-fé e fraude”, pois Eike já sabia que os principais campos de petróleo da empresa não eram comercialmente inviáveis — o que só veio a público em julho de 2013.

Eike também é acusado de ter vendido ações da OGX enquanto detinha informações privilegiadas. Ele sabia da inviabilidade da companhia e se desfez dos papéis antes de compartilhar essa notícia com os demais acionistas. De acordo com a denúncia do MPF (leia a íntegra aqui), apenas entre os dias 24 de maio e 10 de junho de 2013 o empresário lucrou, ao menos, R$ 123 milhões.

Atualmente, a companhia se chama OGPar e está em recuperação judicial.



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  OGX Insider trading CAPITAL ABERTO mercado de capitais EIKE BATISTA fraude MPF manipulação de mercado crime OGPar denúncia Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Decisão de investimento da CalPERS gera avalanche de opiniões no Twitter
Próxima matéria
Bancos médios se mantêm resilientes, apesar da desaceleração do crédito




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Decisão de investimento da CalPERS gera avalanche de opiniões no Twitter
O fundo de pensão dos funcionários públicos da Califórnia é o maior investidor institucional do mundo. São US$ 300 bilhões...