Metamorfose no pregão

A história da transformação da Bolsa de Chicago contada pelo pai do mercado de futuros moderno

Captação de recursos/Prateleira/Edição 125 / 1 de janeiro de 2014
Por 


Gritando ainda mais alto: Do viva voz à tela eletrônica, Leo Melamed, Editora: Saint Paul, 368 páginas, 1ª edição, 2013.

É lugar comum falar da transformação que a tecnologia provocou em vários setores da economia a partir da década de 1990. No entanto, costumamos nos referir à mudança na maneira de servir aos clientes e negociar, e não à evolução da estrutura das empresas. Nesse sentido, as bolsas de valores e de futuros oferecem um exemplo singular de instituição modificada pela tecnologia, desde o espaço de negociação (do pregão em viva voz ao eletrônico) até a sua estrutura societária (de associação a companhia de capital aberto). Protagonista desse processo Leo Melamed apresenta, em Gritando ainda mais alto, as delicadas conversações que conduziram a Chicago Mercantile Exchange (CME) ao papel de precursora e consolidadora nessa indústria.

Melamed dedicou a vida ao desenvolvimento dos mercados futuros. Sua trajetória confunde-se com a própria história da Bolsa de Chicago. Com o diploma de advogado na mão, enamorou-se pelos mercados futuros e iniciou carreira na CME quando era uma pequena bolsa que transacionava futuros de ovos e manteiga, na década de 1960. Criou e implementou o primeiro mercado futuro de moedas pós-Bretton Woods e sobreviveu ao crash de 1987. Entretanto, o grande desafio ainda estava por vir. A sua força de vontade seria posta à prova ao desafiar o que Milton Friedman chamava de “tirania do status quo”.

O vertiginoso progresso tecnológico da década retrasada permitiu a criação de plataformas eletrônicas de compra e venda que ameaçavam subtrair a liquidez das bolsas tradicionais, devido aos custos de transação mais baixos e à janela de negociação mais ampla. Gigantes como Reuters e Bloomberg avançavam rapidamente nessa seara, enquanto os donos das bolsas — as corretoras — viviam o drama de investir em um padrão que poderia “matar” o pregão em viva voz. No meio desse ambiente tumultuado, Melamed conduziu os acordos entre os milhares de associados da Bolsa de Chicago para aprovar a elaboração da plataforma eletrônica. Mas não parou aí. Percebendo que a estrutura organizacional associativa era incompatível com o ambiente de elevada competição entre as bolsas mundiais por liquidez, ele também capitaneou a primeira experiência de desmutualização de bolsas. Assim, abriu caminho para a CME fazer um IPO e tornar-se companhia aberta.

Quem transita em grandes organizações, públicas ou privadas, sabe quão difícil é fazer uma instituição que define o status quo tornar-se o agente de uma mudança que o desafia. Melamed atuou com extrema maestria e empenho ao gerenciar a delicada interlocução com os associados e com os conselheiros de administração. A parte do livro que relata isso é de grande valia a quem passa por modificações agudas na empresa, seja como protagonista das transformações, seja apenas como testemunha. A seção final da obra, por outro lado, acaba sendo um tanto repetitiva e enfadonha, ao reproduzir ensaios e discursos do autor.

Atribui-se a Leo Melamed, entre outros, a paternidade do mercado de futuros moderno. O seu grande legado, o CME Group, consiste em uma das bolsas mais relevantes no mundo. Relembrando as palavras do filósofo inglês Charles Spencer, quem sobrevive não é o mais forte, mas aquele que melhor se adapta às metamorfoses do ambiente.

 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais tecnologia Bolsa de Chicago Leo Melamed Gritando ainda mais alto Chicago Mercantile Exchange CME Milton Friedman viva voz pregão eletrônico status quo Charles Spencer Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Mal na fita
Próxima matéria
À frente do seu tempo



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Mal na fita
A consultoria americana Macroaxis publicou um relatório segundo o qual a Petrobras tinha 32% de chances de ir à falência....
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}