Mercado de capitais está pronto para crescer em 2017

Captação de recursos / Seletas / Artigo / Edição 66 / 19 de fevereiro de 2017
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


José Eduardo Laloni*

José Eduardo Laloni*

Contrariando as expectativas mais pessimistas, as companhias brasileiras ampliaram seu acesso ao mercado de capitais em 2016. O volume de operações nos mercados nacional e internacional chegou a R$ 178,5 bilhões, superando em 27,7% o funding de 2015. A despeito do ritmo lento e dos resultados pouco expressivos observados ao longo de quase todo o ano — influenciados pela retração da atividade econômica e pela crise política que marcou o período —, o desempenho de 2016 surpreendeu, com a aceleração das operações domésticas em dezembro (em especial com ativos isentos de imposto de renda para pessoas físicas) e a ampliação dos efeitos favoráveis da valorização do dólar sobre os recursos trazidos do exterior (167% superiores, em dólares, aos volumes de 2015).

Esses fatores compensaram a retração dos instrumentos mais tradicionais do mercado de capitais local, como as ações (-41,5%), as debêntures (-11,6%) e as notas promissórias (-39,7%). Os FIDCs também não tiveram um bom ano, com queda de 34,9% das operações na mesma base de comparação. Em contrapartida, entre os isentos, os CRAs foram os ativos com o maior crescimento das ofertas, de 193%, com volume recorde de R$ 12,9 bilhões. Esses títulos já vinham apresentando trajetória ascendente desde sua criação, mas em 2016 passaram a ocupar a terceira colocação entre os mais utilizados pelas companhias, atrás apenas das já consolidadas debêntures e dos CRIs. Estes últimos, também isentos de imposto de renda para pessoas físicas, cresceram 72,6% e responderam por 15,6% de todo o volume captado pelas empresas no mercado doméstico no ano. Completando o hall dos isentos, as debêntures para o financiamento de infraestrutura, que vinham apresentando ritmo muito aquém do registrado nos dois anos anteriores, igualmente se recuperaram no final do ano e fecharam 2016 com volume de R$ 4,4 bilhões, uma queda de 12% em comparação a 2015, mas em consonância com as demais debêntures corporativas.

Além do potencial dos instrumentos isentos e da pujante participação das pessoas físicas como subscritoras dos ativos, 2016 deixou legados importantes. Entre eles, os debates entre os participantes do mercado de capitais e a CVM sobre o programa de distribuição de debêntures, mecanismo para dinamização e aceleração das emissões do ativo; a reformulação das regras dos agentes fiduciários, editada em dezembro (a anterior era de 1983); e de critérios para a padronização de escrituras de debêntures, divulgados pela Anbima com o objetivo de impulsionar o mercado secundário desses ativos.

O ano também foi marcado por iniciativas importantes relacionadas às regras de governança corporativa e à inclusão do mapeamento de riscos socioambientais nas operações de mercado de capitais. Ao longo do ano, foram lançados o Código Brasileiro de Governança Corporativa, que contou com a contribuição de 11 das mais importantes entidades ligadas ao mercado de capitais — entre elas a Anbima – representadas pelo Grupo de Trabalho Interagentes, e o Guia para a Emissão de Títulos Verdes no Brasil, pelo CEBDS (Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável) e pela Febraban, que trouxe para o cenário local critérios para a emissão de green bonds, mercado em forte expansão internacional. Ainda em 2016, a CVM lançou edital de audiência pública para, entre outras questões, adequar a Instrução 480 ao novo código de governança, e houve a primeira emissão de um título verde no mercado doméstico, com uma operação de CRA da Suzano Papel e Celulose que movimentou R$ 1 bilhão.

É certo que o ano de 2017 ainda trará desafios. De toda forma, as operações internacionais com bonds, que já movimentaram US$ 6 bilhões no início deste ano, e as feitas no mercado brasileiro, inclusive com ações, apontam para uma perspectiva mais promissora do que no ano passado, quando as operações no mercado internacional foram inauguradas apenas em março. Contudo, é necessário o total restabelecimento das condições macroeconômicas para que o mercado de capitais cumpra seu papel de forma plena. Até lá, mercado e autoridades regulatórias mantêm o trabalho contínuo de aprimoramento de regras e processos e de difusão de boas práticas, pavimentando o caminho para maior participação das fontes privadas de recursos no financiamento dos investimentos e no crescimento econômico.


*José Eduardo Laloni (diretoria@anbima.com.br) é diretor da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima)


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Captação de Recursos mercado de capitais companhias abertas prognósticos para 2017 Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Mais analistas recomendam compra para as ações da Petrobras
Próxima matéria
Novo relatório aponta itens que arregalam os olhos dos auditores




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Mais analistas recomendam compra para as ações da Petrobras
Uma combinação de fatores positivos tem melhorado a perspectiva de analistas em relação à Petrobras e, consequentemente,...