Índia corta imposto sobre compra e venda de ações

Captação de recursos/Bimestral/Internacional/Edição 98 / 1 de outubro de 2011
Por 


Os investidores indianos receberam uma boa notícia no mês de setembro: o governo local considera reduzir ou até mesmo remover um imposto cobrado sobre transações com valores mobiliários no país. A novidade animou o mercado. No dia seguinte ao anúncio, o principal índice da Bolsa de Mumbai, Sensex, que há quatro dias registrava perdas seguidas, subiu 473 pontos, fechando em 16.524.

A proposta de excluir a taxação surgiu durante uma reunião entre o Ministério das Finanças e as bolsas de valores locais. No encontro, elas apontaram o imposto como um dos principais entraves para tornar o mercado de capitais indiano mais líquido e atrativo. Atualmente, o governo cobra uma taxa de 0,125% sobre o valor de compra e venda de ações em bolsa. Apesar de pequeno, o imposto é visto como oneroso pelos investidores, que há muito tempo pediam que a taxa fosse abolida. Foi preciso, no entanto, a chegada de uma nova crise financeira, derrubando os mercados, para o governo tomar uma providência em relação ao assunto.

O imposto foi criado na Índia em 2004 para reduzir a especulação em bolsa. Estudos feitos na época mostravam que o volume de negociações com fins especulativos no país era maior do que o registrado em mercado de capitais desenvolvidos, como Estados Unidos, Inglaterra, Japão e Hong Kong. Ao abrir mão do imposto, o governo deixará de embolsar aproximadamente 75 bilhões de rúpias ao ano (aproximadamente R$ 3 bilhões).


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  mercado internacional bolsa de valores investimentos Ásia imposto Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
SEC não vai brigar por direito dos acionistas de indicar nomes ao board
Próxima matéria
Investidores fazem questão do relatório anual impresso



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
SEC não vai brigar por direito dos acionistas de indicar nomes ao board
Os acionistas ativistas foram dormir mais tristes no dia 6 de setembro. A Securities and Exchange Commission (SEC) declarou,...