Grandes bancos americanos estão encolhendo. Será?

20/1/2015

Captação de recursos/N@ Web / 20 de janeiro de 2015
Por 


A tese do site BuzzFeed é: os bancões estão encolhendo. Para demonstrar isso, fez uma lista de nove sinais que comprovam que os grandes demais para falir estão cortando custos e encolhendo. O Bank of America e o Citi, por exemplo, estão diminuindo o número de agências e rompendo parcerias com hedge funds. O J.P.Morgan Chase está se livrando até de caixas eletrônicos. A lista gerou comentários irônicos: “Será que eu deveria estar triste?”, disse um leitor. Outro celebrou: “Boa notícia!”.

O Buzzfeed explica que, na época da crise de 2008, muitas empresas foram consideradas “too big to fail”, entre as quais seguradoras como a AIG, socorrida pelo governo americano para evitar um violento colapso do sistema financeiro. Grandes bancos, como J.P. Morgan, Bank of America e Goldman Sachs foram tratados com condescendência. Afinal, se o governo tivesse deixado os grandalhões entregues à própria sorte, a crise poderia ter sido mais grave e durado mais tempo.

O escrutínio da mídia, do Estado e da sociedade sobre essas instituições tem sido grande desde então. Ganhar absurdamente por meio de negociações de bonds de alto risco não é mais tão fácil. O lucro do Goldman Sachs, por exemplo, caiu 7,1% no último trimestre de 2014, em comparação ao mesmo período do ano anterior.

Mas vale a pena pensar: será que fechar agências é mesmo um sinal de encolhimento ou é só uma adaptação dos bancos a uma nova realidade tecnológica, em que agências se tornam cada vez mais desnecessárias?

E o afastamento dos hedge funds é um sinal de crise ou apenas uma análise de custo-benefício? O CalPERS, fundo de pensão dos funcionários da Califórnia que é o maior investidor institucional do mundo, já desistiu de apostar nesses veículos. Concluiu que o retorno apresentado por eles não compensa o custo das taxas de performance e administração. Será que os bancos não estão fazendo o mesmo?


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais Bank of America Bancos Calpers Goldman Sachs AIG J.P. Morgan Chase too big too fail Citi Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Gol quer turbinar dividendos de PNs para conseguir emitir mais ações
Próxima matéria
Risk and Audit Summit



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Gol quer turbinar dividendos de PNs para conseguir emitir mais ações
A Gol Linhas Aéreas pode se tornar a primeira companhia brasileira a turbinar os direitos econômicos de suas ações preferenciais....