Euforia e precaução

A abundância de recursos financeiros no Brasil chama a atenção de muitas empresas — mas, antes de buscá-los, é preciso preparação

Captação de recursos/Ernst & Young Terco/Captações de Recursos - Coletânea de Casos / 1 de Maio de 2013
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


 

Uma boa notícia circunda já há algum tempo o ambiente brasileiro de negócios: está cada vez mais acessível a obtenção de recursos para financiar o crescimento. O fluxo de capitais no Brasil começou a encorpar em 2005 e segue robusto. As empresas brasileiras interessadas em destravar o crescimento por meio do acesso a recursos financeiros vêm se deparando com uma abundância de capital sem precedentes na história do País. A informação auspiciosa trouxe euforia. Principalmente entre 2008 e 2010, quando a escalada do fluxo de capitais para o Brasil atingiu seu ápice, muitas companhias passaram a se preocupar menos com a preparação dos negócios — já que, de certa forma, parecia impossível que alguns detalhes as impedissem de consegui-los. Essa postura, no entanto, acarretou riscos.

Um desses riscos é que a despreocupação tem o perigoso potencial de transformar a boa notícia em má notícia. Imprudência tem preço — como já ficou claro, em uma escala muito maior, com as crises detonadas nos Estados Unidos e, posteriormente, na Europa. “O fato é que há, sim, cada vez mais capital no mercado, mas quem define onde os recursos serão alocados está cada vez mais atento e seletivo”, diz Andre Viola Ferreira, sócio-lider para mercados estratégicos da Ernst & Young Terco.

As fontes de recursos devem cobrar cada vez mais transparência e qualidade e, em contrapartida, oferecer melhores condições a quem cumprir os requisitos

No Brasil, o que se prevê é que duas tendências caminhem juntas, uma alimentando a outra: no longo prazo, provavelmente existirá cada vez mais possibilidade de captação de recursos. Ao mesmo tempo, as fontes devem tornar-se cada vez mais implacáveis na cobrança de transparência e qualidade e, em contrapartida, oferecer melhores condições a quem cumprir os requisitos. “Aos olhos do mercado, é fundamental que a empresa seja transparente”, afirma Ferreira. “Seus números, seu histórico, seus planos e os riscos aos quais está exposta precisam emergir completamente no momento em que serão analisados.”

É uma questão de se comportar como uma companhia de capital aberto, mesmo antes de sê-la. “Não há alternativa senão estar constantemente preparado, mesmo que não haja planos para trazer dinheiro de fora no momento”, alerta Ferreira. A disciplina das empresas em relação à prestação de contas — uma tarefa decisiva na hora de se relacionar com investidores e instituições financeiras — é importantíssima. Faz-se necessário não apenas mostrar, mas, principalmente, ter o que mostrar. Prestar informações objetivas e dizer exatamente o que seu destinatário quer saber são pontos imprescindíveis.

A partir daí, a verdadeira tarefa se revela. Por trás da transparência e da prestação de contas, há a preparação do que será mostrado. Governança é fundamental. A forma como a empresa funciona, suas regras, as normas que definem sua conduta dentro e fora de seus limites e as diretrizes que mitigam riscos têm de ser fomentadas, apuradas e apresentadas. Da mesma forma, é fundamental estabelecer controles para garantir que tudo o que a governança pressupõe ocorre dentro da empresa — e, com isso, dar consistência às informações. Esse é, afinal, o caminho para ao crescimento sustentável.

Quando se decide crescer ao trazer recursos de fora do negócio, independentemente da escolha do modelo de captação e da fonte de recursos, um plano de negócios e um planejamento estratégico formal tornam-se vitais. Estimulá-los é o melhor caminho para entender o momento da companhia no contexto de seu ramo de atuação, assim como o cenário do mercado. Não é possível compreender o crescimento sem saber para onde a empresa vai e para quais caminhos o mercado aponta. Ao compreender esses fatores, torna-se também mais fácil levantar o que é preciso melhorar, o que implementar e o que deixar de fazer.

Para saber mais, acesse: www.ey.com.br/crescimento


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Ernst & Young e Terco Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Caminhos para assembleias mais democráticas
Próxima matéria
Paleta de possibilidades



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Caminhos para assembleias mais democráticas
As assembleias de acionistas finalmente se tornaram relevantes nas discussões do direito societário de companhias abertas....