Escolhas erradas

Sem registrar lucro desde 2010, Lupatech quer ser mais do que fornecedora da Petrobras

Captação de recursos/Edição 115 / 1 de março de 2013
Por 


Um jeito de contar a recente história da Lupatech, empresa de equipamentos e serviços do setor de petróleo e gás, é colocá-la no papel de vítima. As aparências ajudam o enredo, mas não refletem com propriedade a condução dos negócios. Principal parceira nacional da Petrobras, a gaúcha Lupatech realizou pesados investimentos em 2007 e 2008, quando o pré-sal emergia como oportunidade de ouro. Só que, desde 2010, seu resultado não sai do vermelho. Os seguidos prejuízos foram influenciados pelo desempenho da estatal, que no ano passado viu o lucro líquido emagrecer 36%, pior resultado desde 2004.

Mas a Lupatech não pode ser considerada exatamente uma vítima das circunstâncias. Como chama atenção Mario Bernardes Junior, analista da BB Investimentos, a empresa deixou de fazer o que qualquer manual de finanças pessoais recomenda: distribuir os ovos em várias cestas.

A Petrobras representava 90% do faturamento da Lupatech.”Foi uma escolha”, diz Bernardes Junior. No terceiro trimestre do ano passado, a Lupatech comemorou vitória em duas licitações para o fornecimento de cabos de ancoragem e uma de válvulas para a Petrobras. A conquista foi anunciada aos investidores na mesma apresentação em que a companhia informou sobre seu endividamento total, de R$ 1,42 bilhão. O faturamento naquele trimestre, porém, havia sido de apenas R$ 171,7 milhões, como lembram os analistas Marco Aurélio Barbosa e Bruno Piagentini, da Coinvalores. A empresa fechou o exercício com prejuízo de R$ 57,4 milhões.

As ações da Lupatech registraram queda de 37,2% entre 31 de julho de 2012 e 31 de janeiro deste ano. Para reverter essa situação, a companhia vem fazendo um ajuste de foco. A tentativa é pulverizar a carteira de clientes para sobreviver ao forte endividamento, tarefa nada trivial.

Desde o fim de 2008, a Lupatech passa por uma grande reestruturação, que ainda não se encerrou. Começou vendendo ativos definidos como pouco estratégicos, ligados à metalurgia. Só no ano passado, o programa de desinvestimentos rendeu R$ 91 milhões.

Vender ajuda a fortalecer o caixa, que anda magro — fechou o terceiro trimestre na marca de R$ 27,2 milhões. Mas, para além do dinheiro, o objetivo é redefinir a atuação da companhia.

No ano passado, a Lupatech aumentou o capital — conseguiu captar R$ 376 milhões — e mudou sua estrutura acionária. A Lupapar, holding que era a sua maior acionista, hoje detém cerca de 6% de participação. BNDESPar e Petros, fundo de pensão da Petrobras, lideraram o processo de capitalização e têm respectivamente 31% e 24,5%. Uma das condições do banco de fomento para a participação nesse processo, salientam Barbosa e Piagentini, da Coinvalores, foi a incorporação da San Antonio Brasil (SABR), empresa controlada pela GP Investimentos. Com essa tacada, a Lupatech mira a atividade de serviços para o setor de petróleo, mais rentável que a fabricação de equipamentos para plataformas, observam os analistas.

O processo foi saudado por alguns, mas visto com cautela e desconfiança por outros. Ainda no segundo trimestre, a analista Paula Kovarsky, do Itaú BBA, escreveu que “apesar dos esforços para aumentar a contribuição dos serviços para a receita total, o segmento representa apenas 27% da receita da Lupatech. Esperamos um aumento no terceiro trimestre, após a incorporação da San Antonio Brasil”.

A melhora, de fato, veio. A receita líquida no terceiro trimestre cresceu 26%, e o faturamento com a prestação de serviço aumentou 103% sobre o segundo trimestre, passando a representar 43,8% do total.

A recuperação, no entanto, é ainda vista com ressalva. Tanto o BB Investimentos como a Coinvalores, por exemplo, não alteraram suas recomendações para as ações da Lupatech. As avaliações estão em revisão, esperando os próximos resultados da empresa. Só a partir daí os analistas poderão cravar se, de fato, o pior já passou.

Ao mesmo tempo em que tenta ajustar o foco, o comando da Lupatech passa por um processo de ebulição. Em janeiro, a companhia anunciou que Ricardo Mollo, diretor de relações com investidores (RI) e financeiro, havia se desligado por motivos pessoais. Na ocasião, o diretor-presidente, Alexandre Monteiro, assumiu também a função de RI. Na sequência, foi a vez de Monteiro deixar a empresa, no dia 18 de fevereiro. O cargo de diretor-presidente passou a ser ocupado por Ricardo Doebeli, e o de diretor de RI, por Thiago Piovesan, que já participava da diretoria da Lupatech. Além de acumular experiência como executivo nas áreas administrativa, financeira e comercial, Doebeli atua há 18 anos em consultorias especializadas em projetos de reestruturação e melhoria de performance. Ou seja, os ajustes continuam.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Petrobras Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Governo exige plano de negócios auditado de licitantes
Próxima matéria
Em mutação



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Governo exige plano de negócios auditado de licitantes
Em janeiro deste ano, na ocasião da audiência pública da concessão para as reformas dos aeroportos de Guarulhos, Viracopos...