Derrotados

O barulho dos acionistas minoritários da Oi diante da reestruturação acionária da companhia não deu resultados.

Captação de recursos / Seletas / Edição 128 / 1 de abril de 2014
Por  e


O barulho dos acionistas minoritários da Oi diante da reestruturação acionária da companhia não deu resultados. No dia 27 de março, foi aprovado o laudo que avalia a Portugal Telecom (PT) em € 8,3 bilhões. Este é o primeiro passo para a junção das empresas, que resultará em nova companhia. A vitória dos controladores, que desenharam o negócio, só foi possível porque dois dias antes o colegiado da CVM, ao analisar o caso, entendeu que os atuais donos da Oi poderiam participar da assembleia. A decisão contrariou muita gente. Tanto os minoritários quanto a própria área técnica do regulador defendiam o impedimento de voto devido ao benefício que a operação proporciona aos acionistas controladores. Ao juntar a Oi com a PT, eles terão as dívidas que assumiram quitadas.

Ilustração: Beto Nejme /Grau 180.com


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CVM Oi CAPITAL ABERTO mercado de capitais assembleia de acionistas Minoritários fusão Portugal Telecom impedimento de voto Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Bom para uns, ruim para outros
Próxima matéria
Mercado aquecido




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Bom para uns, ruim para outros
A MP 627, que trata da tributação do lucro de companhias brasileiras no exterior, foi aprovada no fim de março. Ficou...