Depois de período de queda, captações com ADRs voltam a crescer

23/10/2014

Captação de recursos / Internacional / 23 de outubro de 2014
Por 


zombiePouca gente lembra, mas quando o Alibaba captou estupefacientes US$ 25 bilhões em seu IPO, em setembro, não estava vendendo ações, e sim recibos de ações: American depositary receipts (ADRs). Esse tipo de papel conjugou melhor as questões estruturais da companhia do que a ação faria. Para os bancos depositários dos títulos, BNY Mellon, Citi, Deutsche e JP Morgan, isso por si só seria uma boa propaganda. Mas eles se dão ao luxo de tirar a empresa de comércio eletrônico da lista quando falam do recente aumento do volume captado por meio de ADRs, para que o gigantismo não distorça as estatísticas.

No primeiro semestre, foram 41 captações globais por meio de ADRs, totalizando US$ 9,1 bilhões. O mesmo período de 2013 observou número bem mais modesto: US$ 3,6 bilhões. Desde 2011, o mercado de DRs vinha decaindo. Naquele ano, foram captados US$ 14,8 bilhões em 51 operações; em 2012, foram 31 e US$ 12,6 bilhões levantados; no ano passado, o número de captações igualou o de 2011, mas o volume foi menor (apenas US$ 10,4 bilhões).

A maioria das captações veio da China e da Rússia, seguidas pelo Brasil. A Oi captou US$ 1,1 bilhão em abril por meio de ADRs — e foi a única empresa local a se aventurar esse ano. “Passou a época em que os investidores queriam comprar o Brasil. Agora, as empresas brasileiras têm que fazer um esforço de venda. É um processo natural em economias emergentes mais maduras”, diz Christopher Kearns, CEO da divisão de DR do BNY Mellon. Kearns diz que o baixo crescimento da economia brasileira e a incerteza trazida pelas eleições constituem o principal motivo tanto para o baixo número de IPOs na bolsa local, como para a baixa emissão de recibos fora do País. De acordo com ele, algumas empresas nacionais desistiram de emitir DRs este ano por causa do cenário desfavorável, e devem retomar os planos em 2015 — estão prontas para usar o banco como depositário.

Os bancos depositários costumam sempre explicar a queda pós 2011 dizendo que o ritmo é o mesmo do mercado de IPOs. De fato, o número e o volume de ofertas iniciais de ações havia diminuído e agora está ganhando vigor. Foram US$ 99,6 bilhões captados ao longo de 2012, US$ 137,8 bilhões no ano passado e US$ 95,2 bilhões apenas no primeiro semestre de 2014, de acordo com dados da Renaissance Capital.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Oi CAPITAL ABERTO mercado de capitais ADR China BNY Mellon Alibaba Christopher Kearns Ch Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Providência desagrada minoritários com proposta de fechamento de capital
Próxima matéria
O papel do regulador na relação entre preparador-auditor e usuário




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Providência desagrada minoritários com proposta de fechamento de capital
Os acionistas minoritários da Providência, líder na fabricação de não tecidos no Brasil, estão bastante zangados com a PGI....