Decisão da CVM amplia possibilidades de lastro para CRIs

A Cyrela Realty Companhia Securitizadora de Créditos Imobiliários obteve, recentemente, aval da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para distribuir a investidores de varejo R$ 120 milhões em certificados de recebíveis imobiliários (CRIs). A decisão foi tomada pelo colegiado em 16 de agosto, mas …

Captação de recursos/Seletas/Reportagem/Edição 46 / 2 de setembro de 2016
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

A Cyrela Realty Companhia Securitizadora de Créditos Imobiliários obteve, recentemente, aval da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para distribuir a investidores de varejo R$ 120 milhões em certificados de recebíveis imobiliários (CRIs). A decisão foi tomada pelo colegiado em 16 de agosto, mas publicada apenas no último dia 23. A permissão chamou atenção por causa do lastro: debêntures destinadas ao financiamento de empreendimentos imobiliários da construtora Cyrela. Na avaliação do advogado José Ribeiro, sócio do Vaz, Barreto, Shingaki e Oioli Advogados, o caso é emblemático. Com a decisão, a autarquia consolidou a possibilidade de ofertas de CRIs lastreados em crédito corporativo.

A incerteza em relação ao uso do crédito corporativo persistia desde 2013, quando a CVM vetou uma emissão de CRIs lastreados em debêntures da Rede D’Or. Os recursos seriam usados para compra de terrenos e ampliação de hospitais. Na época, o colegiado da autarquia entendeu que a operação não poderia ir adiante porque “o fluxo de pagamento da operação não estaria relacionado aos imóveis, mas ao fluxo de caixa da devedora, o que não permitiria a caracterização dos recebíveis como sendo de natureza imobiliária”.

CRI_S46_Pt2

“Se fosse hoje, a emissão da Rede D’Or teria chances de ser aprovada”, avalia Ribeiro. Segundo ele, a emissão da Cyrela consolida o entendimento do mercado de que o lastro do CRI pode ter dois formatos. O primeiro é o que tem origem no setor imobiliário, como o decorrente da securitização de recebíveis oriundos da locação de imóveis; o segundo é o lastro que se destina ao setor — caso das debêntures que vão financiar imóveis.

As dúvidas em relação ao tema decorrem da falta de definição de regras. Os CRIs foram criados pela Lei 9.514/1997 e regulados pela CVM em 2004, por meio da Instrução 414. O arcabouço estabelece que esses títulos precisam ter lastro em créditos imobiliários, mas não especifica o que os caracteriza.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  varejo CVM captação de recursos mercado de capitais CRI Crédito imobiliário investimento crédito corporativo financimento de empreendimentos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Nova regra para FIPs moderniza indústria de private equity
Próxima matéria
Preto no branco



1 comentário

Oct 08, 2016

Uma decisão de bom-senso! inibir as possibilidades de estrutura de financiamento não coaduna com a urgente necessidade de sobrevivência das empresas no país de selic e 2 dígitos.



Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Nova regra para FIPs moderniza indústria de private equity
No dia 30 de agosto, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) publicou a Instrução 578, que consolida o arcabouço...