Edemir Pinto

Década de ouro



 

Edemir Pinto, CEO da BM&FBovespa, não costuma se acanhar quando o assunto é o futuro do mercado de capitais. Nem mesmo quando suas previsões falham. A mais famosa é a meta de popularização da bolsa, que prevê 5 milhões de pessoas físicas aplicando em ações. A cifra mágica foi lançada em 2009, com o objetivo de ser alcançada em 2014, mas o prazo teve de ser revisto para 2018, porque o número de acionistas pessoas físicas pouco avançou até agora. Mas isso não o desanima. “Os próximos dez anos serão de ouro para o mercado de capitais brasileiro”, garante.

2023
“Ao olhar o crescimento do mercado, é possível projetar que uma consolidação desses avanços virá adiante. Teremos um ambiente completo, com renda fixa e outros instrumentos que fazem parte do processo de financiamento das empresas. As debêntures já estão ganhando espaço. Outros produtos que hoje têm liquidez restrita, como os ETFs, seguirão o mesmo caminho. O mercado será mais globalizado.”

Concorrência entre bolsas
“A concorrência trará mais inovação e volume de negócios. Para os próximos anos, a competição no segmento de trading [sistemas de negociação] será uma realidade. É um serviço que virou commodity. No de pós-negociação [que inclui o serviço de clearing], é possível, mas menos provável, que haja concorrência. O ingresso de um novo participante requer altos investimentos e um sistema de salva-guardas muito robusto.”

Taxa de juros
“A queda dos juros é uma realidade e não acredito que a taxa volte a ficar em dois algarismos. Com a postura adotada nos últimos tempos pelo Banco Central, teremos juros de país civilizado, o que será uma alavanca do mercado de capitais. O investidor pessoa física ainda vive a febre do consumo. Temos um potencial de crescimento espetacular. Veja países como o Chile ou a Coreia do Sul, onde cerca de 8% da população participa do mercado acionário. No Brasil, esse indicador está em torno de 0,3%. Se chegarmos aos 5 milhões de investidores pessoas físicas, vamos falar de 2,5% dos brasileiros negociando ações.”

Corretoras
“O mercado de intermediação vem passando por dificuldades no mundo todo. A crise de 2008 foi muito grave e ainda estamos sofrendo o seu
rescaldo. O intermediário precisa se reinventar, mas em momentos de dificuldade isso é mais complicado. Não vejo o fim da intermediação. Ela é a razão de a Bolsa existir. Por esse motivo, estamos democratizando o mercado para permitir que as corretoras atuem em nicho — como o on-line, oferecendo apenas o serviço de home broker — sem ter que desembolsar integralmente o depósito de garantias para operar, de R$ 25 milhões. Hoje, a mesma garantia vale para qualquer corretora, seja ela full service, seja de nicho.”

Novo Mercado
“As práticas da boa governança estarão sempre em evolução. No Brasil, introduzimos uma inovação [na autorregulação aplicável aos níveis diferenciados], que é fazer as regras em conjunto com as empresas. Daqui a dois anos, acredito que teremos uma nova rodada de atualização, talvez com a entrada de regras que ficaram de fora [na reforma de 2011], como a obrigatoriedade do comitê de auditoria e a introdução da OPA obrigatória [para quem atingir 30% do capital].”

Brasil
“A nossa evolução política é impressionante. Sempre há percalços, mas somos um país em forte desenvolvimento. Os próximos serão os anos de ouro do mercado de capitais brasileiro. Teremos geração de empregos e expansão da economia, além de mais empresas listadas, lucro para as companhias e incremento dos volumes negociados.”


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  bmfbovespa Novo Mercado CAPITAL ABERTO mercado de capitais Corretoras pessoas físicas Edemir Pinto taxa de juros inovação previsões concorrência entre bolsas desenvolvimento volume de negócios Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Pedro Damasceno e Bruno Rudge
Próxima matéria
Guilherme Affonso Ferreira



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Pedro Damasceno e Bruno Rudge
  Com US$ 3 bilhões sob gestão no Brasil e outros US$ 700 milhões em Londres, a asset carioca Dynamo é uma das mais...