Novas críticas ao incentivo tributário no mercado de capitais

3/12/2014

Captação de recursos / Seletas / 3 de dezembro de 2014
Por 


“Incentivo fiscal deve ser dado com muita parcimônia”, afirmou José Olympio Pereira, presidente do Credit Suisse no Brasil, durante o almoço de fim de ano que o banco tradicionalmente promove com jornalistas. A crítica tem endereço certo: as letras de crédito imobiliárias (LCIs) e as letras de crédito do agronegócio (LCAs). Desde 2004, os investidores pessoas físicas são isentos do imposto de renda (IR) sobre os ganhos obtidos com esses papéis. O fomento foi crucial para o aumento das emissões, mas, num ano economicamente difícil, como foi 2014, acentuou distorções.

Somente neste ano, o estoque de LCIs e de LCAs saltou de R$ 100 bilhões para R$ 140 bilhões. Com liquidez diária, os papéis, emitidos por bancos, acabaram empossando recursos que poderiam ser destinados a outras opções de investimento. “Vemos um benefício tangível no incentivo fiscal concedido às debêntures do setor de infraestrutura, mas não tem sentido fazer o mesmo com LCIs e LCAs”, comentou Pereira.

O banqueiro também deixou no ar uma crítica aos incentivos tributários recentemente concedidos ao segmento de pequenas e médias empresas (PMEs). A Medida Provisória (MP 651), de julho, isentará de IR o ganho que o investidor pessoa física obtiver com a compra de ações ofertadas por PMEs listadas na bolsa. “Não há melhor coisa para desenvolver o mercado que casos de sucesso”, cravou Pereira. Ele se lembrou do mercado de capitais brasileiro há dez anos, quando as companhias voltaram a captar recursos por meio da venda de ações. “O mercado reabriu a partir da Natura e da ALL, que foram um sucesso.”

A polêmica em torno do incentivo fiscal como motor de desenvolvimento do mercado de capitais foi abordada na matéria Efeitos colaterais, que saiu na edição deste mês da Capital Aberto. A reportagem, resultado do debate promovido durante o encontro do Grupo de Discussão Tributação, mostra como os incentivos tributários podem se tornar perversos para o mercado de capitais.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais incentivo fiscal LCA Credit Suisse José Olympio Pereira LCI Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
A raiz da dívida pública
Próxima matéria
Normas do Fisco passarão por consulta pública




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
A raiz da dívida pública
Em 17 de março de 1828, o Tesouro Nacional providenciou a primeira emissão de títulos públicos do recém-fundado Império...